Os juros e a escalada da oligarquia financeira


Já era de se esperar diante da força do capital financeiro/rentista esta nova alta da taxa de juros (SELIC) de 0,50%. A taxa SELIC chegou, desta forma, a 10,50%. Tratou-se da sétima alta consecutiva deste indicador. O Brasil perde, mais uma vez, alimentando o circulo vicioso que nos acomete desde 1994 sintetizado na perversa combinação de juros altos e câmbio valorizado. Esta combinação, para consumo externo, seria o remédio ideal – e à brasileira – ao combate à inflação.

Porém, entre a aparência e a essência muitas vezes existe uma imensa distância. A ação coordenada dos agentes dominantes do capital financeiro, iniciada como reação a tentativa da presidenta Dilma em mudar os parâmetros da política macroeconômica, surte efeitos retardados e com descomunal força. Baseado em uma campanha orquestrada (abandono do “tripé macroeconômico”, descontrole dos gastos públicos e da inflação etc), os instrumentos desta ação todos nós conhecemos e se resume a um terrorismo capaz tanto de mobilizar força política – na disputa pelo poder de fato em nosso país – quanto inviabilizar qualquer ambiente propício ao investimento e ao crescimento econômico calcados na produção e capaz de superar a predominância das finanças sobre a geração de riquezas.

A palavra-chave capaz de explicar todo esse processo não está em nenhum manual de macroeconomia. A palavra-chave é poder, poder político e a respectiva base material que o sustenta. Para tanto observar o processo, em detrimento do imediato, é essencial e nos deve remontar ao pacto político tácito que envolveu a criação do Plano Real como expressão da troca dos ganhos da hiperinflação pelos astronômicos lucros baseados diretamente num dumping do Estado sobre o próprio orçamento do Estado sob a rubrica dos juros ao pagamento da dívida pública.

Os juros da dívida pública transformaram-se, desde então, na base material que dão sustentabilidade política à Casa Grande do século XXI, a saber, o capital financeiro que por sua vez distribui suas migalhas aos seus súditos aquartelados na grande imprensa, nas grandes universidades e no seio do aparelho estatal. A combinação deste caldo político/financeiro pode muito bem aludir a algo próximo de um golpe de Estado e com alto grau de sofisticação, diferentemente de levantes militares típicos das décadas de 1960 e 1970.

Qual a alternativa a este estado de coisas? Poderíamos elencar uma série de medidas técnicas, entre elas, o da extinção das Letras Financeiras do Tesouro (LFTs), com o objetivo de desvincular o mercado de reservas bancárias do mercado de títulos da dívida pública. Pode-se até mesmo sinalizar para o início do fim da utilização da SELIC como remédio contrainflacionário em prol de uma busca de harmonia entre oferta e procura no médio prazo e baseada no aumento da taxa de investimentos.

Toda essa receita progressista alternativa demanda força política acumulada, convicções e um acordo geral rubricada por todos os segmentos da sociedade em torno da troca do curto prazo por uma estratégia desenvolvimentista de médio e longo prazos. Nada disso é fácil e demonstra onde estamos, pois significa proscrição de uma determinada estrutura de poder consolidada. Ideias, amplitude e radicalidade nunca foram tão necessárias como na conjuntura econômica atual.

Anúncios

3 comentários Adicione o seu

  1. José Vieira Loguercio disse:

    Pois é, Renato, e o PCdoB faz seu 13º Congresso e, entre tantas propostas de Reformas, não propõe a que atinge o inimigo principal da Nação Brasil – os proprietários do capital produtor de juros, ou proprietários da usura, do rentismo. A Reforma do Sistema Financeiro Nacional, como mostra a realidade, é o busílis para fazer nosso Estado Dual (serve ao povo e ao anti-povo), pender mais para o povo. E, sem isso o desenvolvimento é impossível. Se o PCdoB não propor isso, nenhuma outra força o fará.
    Um abraço do zé loguercio

    Curtir

  2. Jhonatas disse:

    Renato, belo texto, creio que resume boa parte da histórica contemporânea do nosso país. Penso que a situação atua de subordinação e dependência desse circulo vicioso vêm desde a consolidação das relações capitalistas no Brasil. Somente através da luta, política, ideologia e armada, poderemos muda este cenário, onde cada vez tudo para o capital e migalhas para o povo. a ditadura do proletariado tem que ser debatida e pensada para o século XXI, e não vejo um debata mais radical dentro do PC do Brasil. Ainda a palavra Revolução está perdida nos discursos vazios.
    Abraço camarada.
    Viva Che e Lênin.

    Curtir

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s