O Brasil e a política monetária do imperialismo


O Federal Reserve (o Banco Central dos Estados Unidos) cumpriu com o previsto desde o dia 18 de dezembro de 2013, anunciando mais uma rodada de retirada dos estímulos monetários à economia americana abalada pela crise de 2007/2008. A compra de bônus mensal caiu de US$ 75 bilhões para US$ 65 bilhões. Segundo o Fed, a gradual retirada dos estímulos corresponde a uma resposta à melhora das condições de crescimento do PIB e geração de empregos nos EUA.

Os impactos no mundo desta política são imensos — inclusive no Brasil — que agora deve sentir o reverso da moeda. Ou seja, se a nossa moeda passou por um processo de grande valorização no período da chamada “guerra cambial”, passará (já está passando) por uma desvalorização que, diga-se de passagem, pode ser boa se for administrada de forma planificada. Essa orientacao da política monetária dos EUA é o sinal verde para ataques especulativos contra moedas de países em desenvolvimento que, por sua vez, respondem – na maioria dos casos – a mais esta chantagem do capital financeiro internacional com o aumento de suas taxas de juros. Têm sido assim com o Brasil, seguido de Turquia, África do Sul e Índia. É pedagógico o atual momento do mundo diante da mudança da política monetária do imperialismo. Este movimento demonstra a força do capital financeiro como classe dominante internacional.

E quando esse sinal verde do Fed se transforma em arma política, ocorre o que está acontecendo na Argentina. A Argentina tem sido vítima diária de ataques especulativos contra sua moeda. Gasolina na fogueira daqueles que sabem muito bem que a destruição de um país passa – necessariamente – pela destruição de sua moeda. Interessante é que lá e cá, o campo conservador utiliza-se da desvalorização da moeda para fins de ganho e de fôlego político. A pauta é sempre a mesma: o fantasma da inflação. O remédio é sempre o mesmo: aumento da taxa de juros. O resultado, também, é sempre o mesmo: manutenção de ganhos por parte da oligarquia financeira.

Já o Brasil deveria aproveitar essa conjuntura para recolocar a taxa de câmbio em seu devido lugar de indutora de exportações e desestimuladora de importações. Mas mesmo isso acontecendo não é suficiente para atestar que um país das dimensões do Brasil não possa ter uma política monetária que dependa do que acontece nos EUA na linha de salvar o capital financeiro em crise As coisas devem ficar claras ao ponto de se buscar uma convergência estratégica em torno de uma política cambial mais administrada e menos exposta às leis da oferta e procura. Porém, o caminho é por demais longo. Precisamos nos livrar da tutela dos circulos financeiros americanos que mpedem que nosso país deslanche de verdade.

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.