Padilha: Mais Médicos atendeu 50 milhões de pessoas em 8 meses


O ex-ministro da Saúde e candidato a governador de São Paulo, Alexandre Padilha, afirmou nesta quarta-feira (4) que o programa Mais Médicos, do governo federal, atendeu 50 milhões de pessoas em oito meses. O ministro foi entrevistado durante o café da manhã organizado pela Agência Efe com políticos, empresários, autoridades e jornalistas em São Paulo.

Padilha participou de café da manhã com políticos, empresários, autoridades e jornalistas. Foto: Efe

Padilha participou de café da manhã com políticos, empresários, autoridades e jornalistas. Foto: Efe

O programa Mais Médicos foi lançado em 2013 pelo governo de Dilma Rousseff e foi promovido por Padilha como ministro da Saúde. Até março, o programa tinha atendido 44 milhões de pessoas, segundo números oficiais.

“O programa é um sucesso. É um exemplo de dinamismo e velocidade porque em oito meses atendemos 50 milhões de brasileiros. É como se a Espanha inteira não tivesse médicos em suas unidades”, afirmou Padilha.

“São mais de dois mil médicos do programa no Estado de São Paulo. Atendemos 320 municípios, principalmente nos arredores das grandes cidades”, apontou.

Sobre as críticas que o programa recebeu pela contratação de estrangeiros, Padilha respondeu que os 14 mil médicos estrangeiros contratados representam menos de 5% em “um universo” de 300 mil profissionais.

“Na Inglaterra, a proporção de médicos estrangeiros, por exemplo, é de 37%, e aqui com a chegada de todos estes profissionais, estamos ampliando para 16 o número de faculdades de medicina no Estado e abrindo 6 mil novas vagas para médicos especialistas em todo o País, que se somam às três mil que já foram criadas”, citou. A iniciativa, segundo sua opinião, “provocará outras mudanças na saúde pública brasileira”.

Padilha comentou também os recentes episódios de dissidência de médicos cubanos, que são a maioria do programa. “São sete casos entre 14 mil estrangeiros contratados”, acrescentou.

Para Padilha, esse tipo de críticas perto das eleições gerais de 5 de outubro, não terão o efeito esperado por seus opositores. “Os opositores que quiserem trazer esse debate para a eleição vão sair derrotados”, disse o político e médico paulista, que defendeu a “qualidade” dos profissionais do país caribenho.

“Defendo a qualidade do médico cubano, é porque têm tradição e prestam assistência em mais de 60 países. Eles vêm com a disposição de atender quem mais precisa”, ressaltou o ex-ministro, que lembrou sua experiência pessoal nas regiões remotas do país.

“Após me formar, fui para a Amazônia e compartilhei experiências com profissionais de todas as partes do mundo, muitos deles da Espanha, de cidades como Barcelona e Alicante, que seguem mandando profissionais para aprender e atender pessoas em nossas florestas”, especificou.

Com informações do Portal Terra

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.