Mobilização nacional em defesa do pré-sal é na segunda-feira!


Nesta segunda-feira (15), às 10h, serão realizados simultaneamente em Recife e no Rio de Janeiro atos públicos em favor do pré-sal, organizados pelaFederação Única dos Petroleiros (FUP). Em Recife, a mobilização é em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria do Petróleo de Pernambuco e Paraíba,, oMovimento Sem Terra (MST) e de movimentos sociais. O ato público de Recife será na rua da sede da Petrobras, em frente ao centro empresarial Center II, no bairro Boa Viagem, próximo ao Shopping Recife e ao Hiper Bompreço. No Rio de Janeiro, o ato será na Cinelândia e contará com a presença do ex-presidente Lula.

O objetivo é alertar a sociedade para os riscos que sofre o projeto de desenvolvimento em curso no país, em função dos ataques contra o pré-sal e a Petrobras. Nos governos Lula e Dilma, o pré-sal já alcançou o nível de produção de mais de meio milhão de barris de petróleo por dia, gerando uma riqueza que será aplicada em educação (75% dos royalties) e na saúde pública (25% dos royalties)(link is external). Nos próximos 35 anos, isso significará R$ 1,3 trilhão em royalties que se destinarão à saúde e à educação dos brasileiros. Isso equivale a mais de dez vezes o atual orçamento do governo federal para essas áreas.

Hoje, os investimentos da Petrobras representam 13% do Produto Interno Bruto (PIB) do país(link is external). Mas nem sempre foi assim. Em 2000, a participação da indústria de petróleo no PIB era de apenas 3%. A Petrobras quase foi privatizada nos anos 1990 e já falamos por aqui que até pensaram em trocar o nome de Petrobras para Petrobrax, para facilitar a internacionalização da empresa, que hoje é um grande orgulho nacional. Não há como retroceder, a Petrobras e o pré-sal são muito importantes para o Brasil, principalmente para o desenvolvimento e crescimento da educação e da saúde.

Vamos às ruas em defesa do pré-sal! E também vamos conscientizar as pessoas sobre a importância do papel da Petrobras em nosso país e da reeleição de Dilma para o Brasil continuar mudando, sempre para melhor.

1 comentário

  1. Não demorou muito tempo para que antigos estalinistas, com métodos fascistas, defensores do governo social-liberal de petistas chapas-branca e comunistas de logotipo, acusassem os que se recusam a votar em Dilma/Lula ora de “acadêmicos”, ora de “linha auxiliar da direita”.

    Esquecem, deliberadamente, que o atual governo federal faz alianças com escroques iguais a Paulo Maluf e conta com apoio de Delfim Netto, representante importante da ditadura e mentor do “milagre” econômico.

    Muitos são descarados e metidos a valentões. Mas apenas no escritório e na falsa escrita.

    Colocam-se ao lado dos que atacam o Hamas e defendem o Estado genocida de Israel, se lambuzam com o bolsa-ditadura, expressão pejorativa cunhada por Elio Gaspari, jornalista usado por eles como fonte em seus livros.

    Embora digam o contrário, não estão preocupados com a exploração dos trabalhadores pelo capitalismo: passeiam pra lá e pra cá em carros do ano e com motoristas. Estão desesperados porque dependem financeiramente do atual governo federal.

    Têm todo o direito de ser do PT e fazer saudações petistas. Mas não podem fraudar a história. Alguns se dão bem com “negócios da China”.

    Há tempos perderam a fibra e deixaram de lado o sonho revolucionário. Acusam, levianamente, e sem apresentar provas, um antigo dirigente da Ação Popular, e importante personagem da história e do livro da Ação Popular, de estar “vendido” aos tucanos e “sentado” no colo de José Serra.

    Sabemos que, tão logo passem as eleições, eles vão se atracar de novo. Vão continuar acusando antigos companheiros de inimigos, dizendo a boca pequena que o assassinato do prefeito Toninho do PT, em Campinas, foi recado para os de cima e que os bandidos sequestradores e assassinos de Celso Daniel só pretendiam negociar, mas perderam o controle.

    Nunca é demais lembrar que quem com porcos se mistura farelos come. Continuarão dizendo que, na queda do comitê Central do PCdoB, na Lapa, em 1976, pelo menos um não levou tapa. O acusado disse, na época, que assinou o depoimento sem os óculos. Não precisava, porque estava sob tortura e todos os presos aparecem nas fotografias policiais de caras amarrotadas de tanto levar porrada.

    A baixaria está na Internet. Essa turma não tem integridade, oficio, é profissional da fraude, já detratou Plínio de Arruda Sampaio. E faz isso para defender um governo que seva banqueiros, administra contradições e crises para perpetuar a espoliação do capitalismo.

    Em troca das sobras, do sobejo. Estão na “boa companhia” de José Sarney, Fernando Collor, da mídia comercial, incluindo Veja, rede Globo e outros mais.

    Esquecem que Luiza Erundina e Marina Silva – defensora do capitalismo verde e abutre, que ocupou o lugar de Eduardo Campos na disputa presidencial, evangélica com discurso de freira e de ambientalista, mas coladinha no diabo do agronegócio – têm a mesma origem e falação para enganar trouxas.

    São da mesma espécie. Não lembram mais o que falaram e escreveram.

    Nunca fui do PT e não faço luta interna. Sou apenas um simples repórter, com olhar vermelho, e aprendendo lições.

    Embora velho e avariado, arrisco dizer que a valentia de todos eles, juntos, pode ser igual, mas não maior do que a minha.

    Curtir

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.