Vanessa Grazziotin: Plebiscito é a melhor saída


Recebi o honroso convite da Folhapara escrever neste espaço às terças feiras, com absoluta liberdade de expressão, e aqui estou.

Preliminarmente, registro minha satisfação em colaborar com um dos mais tradicionais jornais do país que, tal qual o meu partido, o PCdoB, se aproxima de um século de existência. Ninguém sobrevive tanto tempo sem méritos.

Mas, vejam só, quis o destino que eu inaugurasse esta coluna justamente no dia em que o relator do processo de impeachment, o senador Anastasia (PSDB-MG), apresenta seu parecer à Comissão Especial.

Assistiremos a um episódio triste da nossa história, pois é pouco provável que o voto do relator não seja pela pronúncia da presidenta Dilma Rousseff, mesmo diante das mais robustas evidências de que não há materialidade do fato, não há dolo e tampouco indício de autoria ou participação da presidenta nos alegados crimes de responsabilidade.

Dos 21 membros da Comissão Especial, apenas cinco votaram contra o afastamento da presidenta. Apesar dessa enorme desproporção temos conseguido demonstrar que o processo não tem base legal. É um golpe!
Sobre as tais “pedaladas”, razão maior da denúncia, tanto a perícia do Senado quanto o Ministério Público Federal concluíram que não há crime. É assunto encerrado! Também não há qualquer ilegalidade nos decretos de suplementação orçamentária, prática reiterada e aceita pelo TCU.

Não é à toa que, apesar de toda a carga midiática, a maioria do povo brasileiro, segundo o Datafolha, não crê que o processo de impeachment se dê dentro dos requisitos legais e constitucionais.

O próprio usurpador, Michel Temer, confirma essa versão ao afirmar que o processo contra a presidenta é eminentemente político — o que não tem qualquer respaldo em nossa Constituição. Tal fato revela oportunismo e falta de apreço às nossas leis, instituições e à democracia.

Como se vê, a discussão no âmbito desse surreal processo é toda em cima de fumaça! Querem inventar crimes em situações não tipificadas pela lei.

A política, portanto, é a real razão desse golpe. Querem mudar o projeto que vem sendo implantado nos últimos 13 anos, o que trará graves e perversas repercussões para os trabalhadores e para a nossa gente mais humilde. Por isso, a efetivação do presidente interino é o pior de todos os cenários. E diferentemente do que alguns imaginam, não trará estabilidade política.

É diante desse quadro, complexo e grave, que defendo a realização de um plebiscito para decidir da antecipação das eleições presidenciais. É com essa bandeira que alcançaremos os votos necessários para barrar esse golpe, que tanto fere, envergonha e prejudica nossa nação e nosso povo.

Publicado no jornal Folha de S.Paulo 

Anúncios

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s