Luciano Siqueira: O elemento consciente e o curso dos acontecimentos

O “elemento consciente” a que aqui me refiro — para usar uma expressão clássica da literatura marxista — é a compressão política do que se passa.

Em sua obra clássica “Que fazer?”, Lenin abordou o tema, nas circunstâncias de então, com tal propriedade que ainda hoje suas considerações essenciais são válidas, devidamente adequadas ao mundo atual.

Se após a primeira revolução industrial já se podia falar uma consciência política “espontânea” das massas, insuficiente, hoje — quando a informação circula em tempo real e historicamente os povos já acumularam imensa experiência de lutas —, mais ainda é possível dizer que o cidadão comum consegue fazer o seu juízo de valor, com algum tempero político, sobre os fatos que o envolvem no cotidiano.

Mas a porca entorta o rabo em razão dos multifacetados instrumentos de comunicação nas mãos da elite dominante, usados de maneira sofisticada e continuada para distorcer a percepção da realidade e formar o consenso social que lhe interessa.

Daí a compreensão fragmentada e circunscrita ao fato imediato, aparentemente desconectado dos acontecimentos em geral.

Fazer a conexão do particular com o geral (no curso real das lutas) e a partir daí ajudar o individuo a compreender a essência de cada fato particular como parte do todo — ensinava Lenin — é precisamente o desafio do militante, do ativista e, em dimensão maior, dos líderes.

O recente pleito municipal configurou uma verdadeira onda conservadora que varre o país. Com o PT e a esquerda em geral, incluindo o PCdoB, em desvantagem e na defensiva.

Isso após 12 anos de governo nacional sob hegemonia do PT, que promoveu a mais expressiva elevação das condições de vida do povo brasileiro em sua história.

Um tempo bicudo de hoje, onde cabe investigar a qualidade do trabalho político que temos realizado junto aos milhões beneficiários das conquistas alcançadas. A partir mesmo do PC do B, que é nossa seara.

Pois se é certo que erros graves cometidos pelos petistas no governo – por práticas não republicanas e, sobretudo, na condução tática da coalizão governista -, deram azo a que a direita e o complexo midiático encetassem a extraordinária campanha de descrédito e desmoralização do Partido dos Trabalhadores, ainda em curso, impressiona a vulnerabilidade subjetiva da maioria da população.

Vale dizer: no período progressista, não se elevou, na dimensão necessária, o nível de consciência e de organização do povo brasileiro.

O fato é que dessa tarefa de sentido estratégico não dão conta a prestação de serviços governamentais como dádiva, nem o corporativismo sindical, nem agitação geral na onda dos movimentos ocasionais, nem a superficialidade típica das redes sociais que subestima o debate político.

Quando da débâcle da União Soviética e em meio à profunda crise da luta pelo socialismo, João Amazonas publicou na revista “Princípios” artigo conciso, porém esclarecedor a partir do próprio título: “Defender e desenvolver a teoria marxista — exigência da época atual”.

No texto, o velho e experimentado dirigente comunista definiu a pauta teórica e política, que o PCdoB tem desenvolvido desde então com considerável êxito.

No Brasil de Temer e no mundo que assiste perplexo a eleição de Trump nos EUA, as forças populares e progressistas não resistirão com eficácia, nem acumularão forças para uma contra-ofensiva futura, se persistirem na subestimação da luta de ideias.

Cá entre nós, nunca foi tão necessário debater a realidade concreta à luz da teoria e da linha programática do PCdoB. Para elucidar os complexos problemas que nos desafiam e elevar a qualidade do nosso trabalho político cotidiano junto ao povo.

Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

Luciano Siqueira

https://www.facebook.com/lucianoPCdoB * blog www.lucianosiqueira.blogspot.com

* twitter.com/lucianoPCdoB  * Instagram lucianosiqueiram

Anúncios

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s