Altamiro Borges: Chico Buarque e o vexame do ‘Roda Morta’


Por Altamiro Borges

A vergonhosa “entrevista” – se é que dá para chamar aquela bajulação chapa-branca de entrevista – de Michel Temer no “Roda Viva” da TV Cultura, na última segunda-feira (14), segue gerando polêmica. Nesta quinta-feira, o jornalista Paulo Pacheco, do UOL, informou que o cantor e compositor Chico Buarque estuda pedir a retirada da sua música da abertura do programa jornalístico – se é que dá para chamar aquele servilismo de jornalismo. Já um grupo de artistas lançou um manifesto em que pede a mudança do próprio nome do programa – que até poderia ser rebatizado de “Roda Morta”.

Segundo a matéria, a participação de Michel Temer no programa “deixou ‘desconfortável’ o dono da trilha de abertura que dá nome ao programa, Chico Buarque. O cantor apoia o movimento lançado pelo site ‘Jornalistas Livres’ contra o uso da música na atração. ‘Chico tem simpatia pela campanha, mas ele deu autorização para o uso da canção no programa e vale o que está escrito’, informou a assessoria de imprensa do cantor, que afirmou estar estudando se o documento que libera o uso da canção lançada em 1967 para o programa de entrevistas da Cultura tem prazo de validade”.

Ainda de acordo com a assessoria, Chico Buarque não esconde “que tem um certo desconforto de ver a música dele em um programa que, nas últimas edições e já há algum tempo, é bastante diferente e desvirtuado do programa original”. Da conversa no Palácio da Alvorada, que o próprio Judas chamou de “propaganda”, participaram os “bajuladores” Willian Corrêa (coordenador geral de jornalismo da Cultura), João Caminoto (diretor de jornalismo do Grupo Estado), Sérgio Dávila (editor executivo da Folha), Eliane Cantanhêde (colunista da TV Globo) e Ricardo Noblat (colunista do jornal O Globo).

Diante da péssima repercussão da “entrevista”, um grupo de artistas divulgou no site do coletivo Jornalistas Livres um manifesto que segue coletando adesões. Reproduzo o texto abaixo:

*****

S.O.S. Roda Viva

“Faz tempo que a gente cultiva a mais lida roseira que há / mas eis que chega a Roda Viva e carrega a roseira prá lá”

A TV Cultura, berço de iniciativas inovadoras da TV nacional, há 30 anos exibe o programa Roda Viva. Originalmente um espaço destinado ao bom jornalismo, palco de entrevistas históricas com personalidades das mais diversas áreas, o programa transformou-se em um triste aparato de propaganda do governo de SP e, agora, também do governo federal. A crítica perdeu espaço para a bajulação; a pluralidade foi substituída pelo pensamento único; o jornalismo, expulso do programa, agoniza perante o festival de gentilezas e afagos entre os governos e os profissionais da notícia.

Ao romper descaradamente com a democracia e o compromisso com a informação, assumindo o papel de agência de publicidade, o programa não merece mais carregar como nome de batismo o título, e como música de abertura a ilustre canção de um artista que jamais virou as costas para a democracia e os interesses do povo brasileiro: Chico Buarque.

Roda Viva é um marco da luta contra a ditadura militar. A canção, grito metafórico contra a censura vigente; a peça, alvo de ataques fascistas, ícone da resistência cultural ao regime de exceção. É uma afronta que sirva de batismo a uma sessão semanal de bárbara tortura à democracia, tendo como verdugo principal o editor da ex-revista Veja, há muito transformada em panfleto ideológico conservador e mitômano.

A entrevista com o presidente Michel Temer, exibida no último dia 14 de novembro, foi, para citar outra canção de Chico, a gota d’água. Em uma cena de realismo fantástico, o próprio presidente agradece o “espaço de propaganda” do seu governo, em vídeo gravado pelo âncora do programa e fartamente divulgado nas redes sociais. Tamanha promiscuidade não poderia passar em branco; movidos pela indignação, nós, abaixo-assinados, resolvemos dar um basta.

A gente toma a iniciativa, viola na rua a cantar:

Exigimos a imediata mudança do nome do programa, assim como a retirada de “Roda Viva” da abertura do mesmo.

Não aceitamos que afrontem nossa História, esvaziando o significado de algo que nos é tão caro: a memória da resistência democrática no Brasil.

Esta campanha conta com o aval do próprio Chico, que já manifestou o desejo de procurar os meios legais para impedir que sua obra seja atrelada ao servilismo indecente do programa. Mas nós queremos mais: queremos transformar este manifesto em uma imensa campanha em defesa da democracia e de denúncia da relação promíscua entre setores da imprensa e segmentos políticos e empresariais.

Convidamos todos e todas a também assinar este texto, “pois quem tiver nada pra perder, vai formar comigo o imenso cordão”!

Anúncios

Um comentário

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s