Luciano Siqueira: Distintos, mas não contraditórios


Tanto quanto a escolha das palavras, do tom e do gesto – essas expressões concentradas da linguagem humana -, na luta política a ênfase na análise da situação concreta e no que há de mais importante e urgente a fazer tem peso determinante.

No Brasil de hoje, pós impeachment, sob a avalanche neoliberal e corrupta de Michel Temer e seu grupo, resistir é o gesto primário e decisivo.

Resistir demarcando campos, expressando o desconforto e as aspirações da maioria dos brasileiros.

E apontando saídas.

No contraponto ao que está estabelecido – a absurda agenda regressiva -, cabe como pano de fundo inspirador a ideia força de um novo projeto nacional de desenvolvimento – abortada pelo golpe ainda nos nascedouro -, imprescindível como perspectiva estratégica.

Entretanto, ainda sob o impacto da derrota, as forças que se colocam em defesa da democracia e do desenvolvimento econômico soberano e inclusivo e dos interesses fundamentais dos que vivem do trabalho reagem como podem. Ainda sem uma articulação mais consistente, a despeito do anunciado desejo de conformação de uma frente ampla, nas diversas modalidades que têm vindo à tona.

Tudo bem. É assim mesmo. Nunca se viu forças tão amplas (e contraditórias entre si) se reagruparem com nitidez de propósitos e desenho organizativo “no dia seguinte” à derrota.

Há um tempo de maturação.

Importa que a resistência vem crescendo, mediada pelo debate que se amplia e por manifestações populares de resistência – a exemplo da ocupação de escolas e Universidades pela juventude estudantil e da greve recém-deflagrada por professores de Universidades públicas federais em praticamente todas as unidades da Federação .

Nesse contexto, há dois pontos distintos mas não contraditórios: a demarcação de campos claramente em favor dos trabalhadores e do povo e da democracia, que tem naturalmente um quê de radicalização; e os esforços no sentido de explorar contradições e possíveis dissidências nas hostes governistas.

Vale dizer: mobilizar o povo pela base, conquistar descortino e solidez na reaglutinação de forças; e reconquistar parcelas do “centro” político perdidas no desenrolar da derrocada do governo Dilma.

Em artigo recente (“O Brasil diante de um grande impasse” http://migre.me/vzwOY), Renato Rabelo sugere uma repactuação política no campo oposicionista “centrada na prioridade à produção e ao trabalho, sobretudo, na era capitalista neoliberal e voltada para a defesa do Estado democrático de direito, retomada do desenvolvimento econômico e resistência para barrar a perda de direitos”, tendo como corça motriz a crescente resistência dos movimentos sociais.

É por aí.

Luciano Siqueira

 

https://www.facebook.com/LucianoSiqueira65/  * www.lucianosiqueira.blogspot.com

https://twitter.com/lucianoPCdoB

Anúncios

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s