Capitalismo não tem projeto político que atenda a humanidade

O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse nesta terça-feira (24) que a 5ª Cúpula da Comunidade de Estados da América Latina e do Caribe (Celac) será um importante fórum para discutir os desafios diante da administração do presidente norte-americano Donald Trump. E que o capitalismo e imperialismo não têm projeto político que atenda a humanidade.

Evo Morales

“Eu sinto que esta cúpula será muito importante frente às novas ameaças do império norte-americano contra a América Latina, mas também servem para uma discussão aprofundada dos presidentes sobre as políticas econômicas e sociais para a humanidade”, analisou Morales na cidade central de Cochabamba, minutos antes sair para a República Dominicana.

A cidade de Punta Cana no país caribenho vai acolher a partir desta terça-feira, chanceleres, chefes de Estado e de Governo dos países do hemisfério, com exceção dos Estados Unidos e Canadá.

O presidente boliviano elogiou, em uma breve conferência de imprensa, a importância do mecanismo de integração criado em 2011.

Os ex-presidentes Hugo Chávez, Luiz Inácio Lula da Silva, Nestor Kirchner, Fidel e Raul Castro (atual presidente de Cuba), entre outros, gestaram um movimento político de libertação e de integração da América Latina e do Caribe frente aos programas impostos desde Washington, disse ele.

Evo também considerou que as políticas de mercado livre e de comércio falharam, bem como a chamada globalização neoliberal, conduzida pelos centros de poder hegemônico desde o final da década de 80 do século passado.

O Reino Unido abandonou a União Europeia e o novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, questiona a globalização, o que demonstra que o capitalismo e o imperialismo não têm um projeto político para atender a humanidade, explicou.

Para o chefe de Estado, o fracasso das políticas de competitividade deve ser substituído pelo socialismo comunitário, ao abrigo do princípio da solidariedade e complementaridade econômica e comercial.

Ele citou o desempenho recente desta nação andina amazônica, caracterizada por forte investimento em programas sociais, recuperação dos recursos naturais e gestão de empresas estatais estratégicas.

Isso permitiu que a Bolívia nos últimos cinco anos tenha se tornado a nação da América do Sul com o maior crescimento do produto interno bruto, cerca de 4,5% ao ano.

Em outra parte de seu discurso, Morales agradeceu o apoio dos movimentos sociais e das comunidades camponesas, indígenas e originárias, para fortalecer a revolução política e cultural que acontece desde 2006.

Além disso, valorizou as recentes mudanças no gabinete de ministros, “a fim de que nosso processo de mudanças siga adiante”.

Leia também:
Brasil não envia representante à Cúpula da Celac, 1ª depois de Trump

Fonte: Prensa Latina
Tradução: Wevergton Brito para o Resistência

Anúncios

2 comentários

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s