Para compreender a União Europeia: “Integração capitalista”, afirma Pedro Guerreiro, da direção do PCP

crise-uniao-europeiaO jornal Avante!, Órgão Central do Partido Comunista Português, publica na edição desta quinta-feira (2), artigo assinado pelo membro do Secretariado, responsável pela Seção Internacional, Pedro Guerreiro, em que sintetiza o caráter da União Europeia. Leia a íntegra.

Ao longo dos seus 60 anos de sobressaltos e de metamorfoses de sentido federalista, nunca o processo de integração capitalista europeu se terá confrontado com uma tão profunda crise, que expõe como nunca as suas insanáveis contradições. Não é demais sublinhar, neste contexto, o imenso significado político do resultado do referendo no Reino Unido que ditou a saída deste país da União Europeia.

Num primeiro momento face à URSS, ao campo socialista no Leste da Europa e à influência do movimento comunista e operário, na sequência da criação da Otan (1949) e após a adesão da República Federal Alemã a este bloco político-militar (1955), a denominada integração europeia, com os seus sucessivos aprofundamentos e alargamentos – desde a criação das Comunidades Europeias (1957), passando pelo Ato Único (1986), pelo Tratado de Maastricht e a criação da União Europeia (1992), pelo Tratado de Amesterdã (1997), pelo Tratado de Nice (2001), ao Tratado de Lisboa (2007) –, foi ditada por interesses de classe e determinada pelas grandes potências capitalistas na Europa, sempre sob a tutela dos Estados Unidos.

Um processo de integração que se caracteriza pela imposição de relações de domínio político e econômico das grandes potências sobre os restantes países, segundo os interesses do grande capital, através da criação e controle de instituições supranacionais e de toda uma panóplia de instrumentos, de que são exemplo o mercado único, a União Econômica e Monetária, o Euro, as políticas comuns e outros diversos procedimentos estabelecidos nos tratados e normas comunitárias, não esquecendo os tratados de livre comércio ou o Tratado orçamental.

Um processo que pela sua natureza e objetivos de classe agride e condiciona o direito dos povos e de Estados – como Portugal – ao desenvolvimento, ao progresso social, à soberania e independência nacional, à democracia, a uma política externa baseada na igualdade de direitos e num efetivo quadro de cooperação. Um processo que promove a intensificação da exploração e a regressão dos direitos laborais e de outros direitos sociais, a concentração e centralização da riqueza e o aumento das desigualdades sociais e das assimetrias de desenvolvimento entre os diferentes países. Um processo que se assume como pilar europeu da Otan, que promove o militarismo, a ingerência, a guerra contra povos e Estados soberanos. Um processo que é responsável pelo desrespeito de direitos humanos, de que são gritante exemplo as milhões de vítimas das guerras de agressão que a União Europeia promove, apoia ou é conivente. Um processo cujas políticas alimentam o aumento da xenofobia e da extrema-direita.

Sempre propagando mistificações para ocultar os seus reais objectivos e intenções, acenando com “ameaças” e “perigos”, subornando com fundos, para assegurar a abdicação do exercício da soberania nacional e a condenação à dependência econômica e à subordinação política, 30 anos de aprofundamento do processo de integração capitalista europeu comprovam que cada novo salto federalista representou e representará acrescidos condicionamentos e constrangimentos à soberania de Estados – como Portugal – e reforçados instrumentos de imposição de políticas e medidas que atentam contra os direitos, os interesses, os anseios dos trabalhadores e dos povos.

Aprofundar a dependência e subordinação de Portugal face à União Europeia representaria agravar uma política de declínio nacional. O que se impõe é libertar Portugal da submissão ao Euro e das imposições e constrangimentos da União Europeia e assegurar os instrumentos que garantam a soberania e independência nacional, que possibilitam o desenvolvimento econômico e social do País, e a promoção de um novo quadro na Europa assente na cooperação entre Estados soberanos e iguais em direitos, no progresso social e na paz.

Fonte: Avante! e Blog da Resistência

Anúncios

4 comentários

  1. “A FESTA CONTINUA…”
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2016/10/08/a-festa-continua/

    “…Subitamente, um filhinho de papai idiota e oportunista, com a cara cheia de tanta droga, cheirada, bebida, fumada e esfregada nas gengivas, lavrou suas palavras de ameaças na poeira que ele costumava compartilhar com outros carinhas dali. E outros o seguiram imediatamente. Alguns o seguiam em seus helicópteros, outros de trens metropolitanos, outros vendendo até coisas que nem eram suas, mas que queriam entrar e participar da farra. A farra do boi, a farra para os que ali tentavam comandar a festa. …”

    Curtir

  2. SE É QUE SE PODE ACREDITAR QUE LADRÕES A INVESTIGAR SEU PRÓPRIO ROUBO PODERÁ DAR EM ALGUMA COIA DIFERENTE DE PIZZA!
    ALGUMA DÚVIDA? É PIZZA NA CERTA!!!

    “Seu anti-petismo está a cegar você. Seu anti-petismo está a emburrecê-lo. VAI ENTRAR NA SURUBA? ASSIM É. PAÍS SEM PUDOR!”
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2017/02/26/seu-anti-petismo-esta-a-cegar-voce-seu-anti-petismo-esta-a-emburrece-lo-assim-e-pais-sem-pudor/

    “Ei, você aí, coxinha golpista, ainda não viu? Ainda não entendeu?
    Ainda não aceita a merda em que você nos meteu? Ainda acha que está tudo certo?
    Então não tem jeito! …”

    Curtir

  3. “NEM TODOS OS LADRÕES ESTÃO NO GOVERNO.
    MAS TODOS OS QUE ESTÃO NO GOVERNO SÃO LADRÕES.”

    ALGUÉM ACHA MESMO QUE O TEMEROSO ACIDENTE PAVOROSO É O PROBLEMA? ACHA QUE O TEMEROSO ACIDENTE PAVOROSO INTESTINO CHEIO DE MERDA É O PROBLEMA?

    Lígia Deslandes: O Banco Central do Brasil e o Golpe na Economia – E O CAPETA CHEGOU… – ASSIM É. PAÍS SEM PUDOR!
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2017/02/23/ligia-deslandes-o-banco-central-do-brasil-e-o-golpe-na-economia-e-o-capeta-chegou-assim-e-pais-sem-pudor/

    É UM ARTIGO MUITO GRANDE, MA MUITO BOM E ESCLARECEDOR…

    “…a crise econômica foi uma crise provocada pelo BANCO CENTRAL DO BRASIL com o intuito de derrubar a esquerda e privatizar o país. Nem a Presidenta Dilma Roussef percebeu e nem o restante da esquerda se deu conta dos arranjos que foram feitos entre esses representantes da política e da economia.

    O desmonte da economia foi traçado com requintes de traição através da união entre grandes corporações, banqueiros, políticos corruptos, parte do judiciário e a mídia que de forma minuciosa planejaram o golpismo …”

    Curtir

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s