Luciano Siqueira: Pequenos Grandes Gestos no 8 de Março

Aconteceu há uns poucos anos atrás. Como de costume, oferto uma rosa vermelha às mulheres de casa e às que comigo batalham no dia a dia, no ambiente de trabalho. Para marcar a data, densa em significados, com afeto, cumplicidade e espírito guerreiro.

Rosas vermelham traduzem bem querer e luta.

Era dia de faxina doméstica. Ofertei também uma rosa para ela, com um abraço fraterno e palavras de reconhecimento e incentivo.

Olhou-me com espanto. Balbuciou palavras que não conseguiu pronunciar além de um tímido “muito obrigado” e afastou-se nervosa, o rosto em lágrimas.

Um choro abafado, contido. “- Vou completar cinquenta anos e é a primeira vez que recebo uma rosa vermelha em toda a minha vida”, confidenciou depois.

Foi como se ela se descobrisse de repente alvo de um carinho jamais experimentado. Daquela forma, com aquelas palavras e aquele gesto. Tal como acontece com milhões de marias mundo afora, vitimas do desamor ou objeto de um querer apenas superficial, incompleto.

Através de gestos simples como aquele ou de manifestações coletivas, o 8 de Março há que ser um misto de comemoração e combate.

Comemoração pelas conquistas alcançadas em quatro décadas de impulso da luta feminista, no Brasil e em outras terras. De combate renovado em busca de novas conquistas, pois a luta é ingente e de longuíssimo curso.

A desigualdade de gênero está fincada em sólidas raízes históricas, econômicas e culturais. A emancipação da mulher implica múltiplas trincheiras – nas relações de trabalho, na vida social e política, no confronto de ideias.

Não basta o reconhecimento de que a condição feminina impõe direitos específicos consignados na Constituição. Nem a gama de políticas públicas traduzidas em programas de atenção à mulher, adotados pelo poder público nas três instâncias federativas. É preciso fazer permear as atividades protagonizadas pela mulher ou a ela destinadas pelo debate teórico e político acerca da desigualdade de gênero – suas causas, suas manifestações estruturais e cotidianas; e encontrar meios e modos de aprimorar a peleja pela igualdade.

Mais do que tudo, cabe ampliar e qualificar a presença feminina nas esferas de poder, em todos os níveis. O país que já foi governado por uma mulher há que abrir espaço para que mais e mais mulheres ocupem cadeiras nas casas legislativas e nos postos de mando no Executivo.

As eleições, que no Brasil acontecem a cada dois anos, dão azo a que as mulheres venham a obter mais protagonismo político. Para que tenhamos mulheres parlamentares e governantes capazes de pugnar por um mundo de igualdade, em que mulheres como aquela que um dia derramou lágrimas em minha casa, por se descobrir digna de receber uma rosa vermelha, possam despertar para a luta emancipacionista.

 

Luciano Siqueira

 

https://www.facebook.com/LucianoSiqueira65/  * www.lucianosiqueira.blogspot.com

https://twitter.com/lucianoPCdoB

Anúncios

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s