Luciano Siqueira: Rapadura é doce, mas não é mole


O instante da vida nacional é, verdadeiramente, um dos mais graves da História – pleno de desafios, sobretudo no terreno teórico e político.A recente reunião plenária ampliada do Comitê Central do PCdoB – um debate amplo e consistente – reafirmou essa gravidade e firmou uma agenda de luta, tanto na frente política-institucional, como nas ruas e no terreno das ideias. 

Não será exagero afirmar que no diagnóstico preciso da situação e na formulação de saídas avançadas e factíveis residem o desafio maior.

Isto tanto pela natureza dos problemas que permeiam a crise econômica e o imbróglio institucional, como pela fragilidade das estruturas político-partidárias, incluindo o relativo vazio de lideranças nacionalmente reconhecidas.

Lula é o maior líder popular de história recente. E, tal como fermento, quanto mais nele se bate, mais cresce no imaginário da população. Mas ainda não empalma uma proposição destinada a arregimentar amplas forças para o combate. Carecemos de uma plêiade de quadros capazes de construir uma solução negociada para a crise.

Demais, quando avaliamos o ciclo transformador que ocorreu por doze anos, nos governos Lula e Dilma, identificamos – ao lado de inegáveis conquistas e relativos avanços – sérias deficiências e importantes equívocos praticados, sobretudo, pela corrente hegemônica (o PT), que careceu e carece de descortino estratégico para além do governo central imediato. 

Assim, há que se enfrentar agora, na perspectiva de ulterior retomada do movimento transformador, intricadas questões relativas à defesa do Estado de Direito democrático, à superação dos mecanismos jurídico-formais e administrativos que mantêm, feito maligna tatuagem, no interior do Estado os interesses e o predomínio do setor rentista, ao destravamento do desenvolvimento industrial e de sua competitividade internacional, à preservação dos interesses e dos direitos dos trabalhadores, ao reposicionamento do Brasil entre os países que se batem por uma nova configuração de forças no mundo, multipolar, que ultrapasse a unipolaridade hegemonista norte-americana.

Não é uma empreitada simples. Como dizemos cá na Província, a rapadura é doce, mas não é mole.

Daí a justeza das diretrizes adotadas pelo PCdoB, que combinam a resistência nas ruas – a experimentação de novas formas de luta, a aglutinação dos múltiplos movimentos de protesto e de defesa de direitos – com a peleja parlamentar e o debate em torno de novos rumos para o País.

Tudo devendo confluir do para a gradual construção de uma ampla conjugação de forças sociais e políticas, capaz de interromper o atual ciclo regressivo e retomar o desenvolvimento do país, em bases socialmente inclusivas, democráticas e soberanas. 
Acesse https://www.facebook.com/LucianoSiqueira65

Leia mais sobre temas da atualidade: http://migre.me/kMGFD

Luciano Siqueira

Anúncios

2 comentários

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s