Luciano Siqueira: Nada substitui o trabalho político na base


Resultados de pesquisa recente realizada pela Fundação Perseu Abramo com foco em populações periféricas de São Paulo causam estranheza e inquietude.Mas não deviam surpreender, pois apenas revelam conhecido dado da realidade: a discrepância entre o discurso político dos segmentos mais avançados da sociedade e o nível de percepção da maioria da população.

Essa discrepância é maior ou menor, dependendo em boa parte das circunstâncias políticas; e é mediada por vários fatores – entre os quais a natureza e a qualidade dos vínculos de partidos e agrupamentos políticos com a base da sociedade.

Pesa, sobretudo, a qualidade do diálogo entre militantes e ativistas e o cidadão comum.

Quando do último pleito presidencial, uma expressão esteve presente no discurso de todos os candidatos: “Você chegou até aqui por esforço próprio”.

Isto porque as pesquisas de então já revelavam que os quase 40 milhões de brasileiros que haviam ascendido socialmente em doze anos de Lula e Dilma não percebiam sua melhoria de vida como fruto de políticas públicas adotadas pelo governo. Atribuíam o êxito ao próprio esforço.

É que o processo de formação de uma consciência social avançada é algo complexo, nem é instantâneo nem se dá em linha reta.

Espontaneamente o indivíduo tende a ver quase que somente a realidade local e pessoal. Não faz a relação de suas vivências individuais ou coletivas com a realidade do país e com a necessidade de se mudar a natureza do poder político como condição indispensável a transformações sociais e políticas que permitam solucionar os problemas fundamentais do povo e destravar o desenvolvimento nacional.

Por mais eficiente que seja a propaganda dos feitos e benefícios atribuídos a determinado governo, jamais dispensará um trabalho cotidiano que proporcione ao cidadão seu aprendizado político.

É o que é Lenin em sua obra clássica “Que fazer?” chamou de introdução do elemento consciente no movimento espontâneo.

A realidade atual é bem diversa daquela em que o grande líder russo atuou, final do século XIX e início do século XX.

Hoje o trabalho político militante envolve um conjunto de variáveis, da sofisticação dos meios de comunicação à multiplicidade de estímulos com os quais o indivíduo convive no seu dia a dia.

Mas o desafio é o mesmo. E não foi enfrentado devidamente pelas forças governantes no ciclo transformador recém-interrompido.

O limitado descortino estratégico da força política hegemônica e a presença saliente, na coalizão governista, de segmentos conservadores pesaram nesse sentido.

Neste instante da vida do país em que está instaurada a crise e a instabilidade em todas as esferas da sociedade, sob correlação de forças favorável ao agrupamento que deu o golpe e promove o retrocesso neoliberal, a luta no terreno das ideias e a atividade militante, pedagogicamente eficiente, têm enorme relevância.
Luciano Siqueira

Anúncios

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s