Luciano Siqueira: As moedas de troca de Temer

Frágil como um fiapo, o rosto e o corpo sujos de lama, quase ignorado na cena internacional — mas assim mesmo ainda de pé.

Por Luciano Siqueira*

 

Trôpego, porém de pé.

Apenas 7% da população brasileira o apoia, mas persiste.

Assim é Michel Temer. E por que não cai?

Ele ainda se apega ao uso esperto de duas moedas de troca.

Uma é que o destino do seu governo está nas mãos do Mercado. A agenda regressiva de direitos e de direcionamento neoliberal para a economia — cânones do Mercado financeiro — precisa de um governante que, mesmo no fundo do poço, se empenhe em executá-la a qualquer custo.

É a tarefa “modernizante” a que se refere próprio Temer em seus sucessivos e atabalhoados pronunciamentos.

A outra moeda é o relacionamento “fisiológico” com grande parte da base governista no parlamento, que troca o voto nas reformas antipopulares por cargos na máquina pública e outros favores imediatos.

Nessa seara Temer sempre se moveu muito bem. Sua trajetória ascendente no parlamento e na máquina peemedebista decorre daí.

E para o próprio Temer não há alternativa senão resistir, pois uma vez apeado do poder de imediato poderia ser preso, tal a gravidade das denúncias comprovadas de ato de corrupção e de interceptação de investigações contra si e seu grupo de que é alvo.

A viagem internacional que fez na semana passada em busca de agenda positiva mostrou-se tremendo fiasco.

Na Rússia, foi recebido no aeroporto pelo vice-ministro das Relações Exteriores. Na Noruega, pelo chefe da segurança do aeroporto. Tratamento de terceira classe para quem governa um país da importância geopolítica do Brasil.

E ainda ouviu acovardado admoestações da primeira-ministra norueguesa, que ousou se intrometer em questões internas do Brasil, sentindo-se à vontade diante de um energúmeno.

Lamentável, sob todos os títulos!

E o impasse prossegue. Com as três denúncias sequenciadas da Procuradoria Geral da República, o presidente seguirá exposto à execração pública.

Nesse ambiente, a greve geral convocada para o próximo dia 30 haverá de reforçar mais ainda a resistência popular.

* Luciano Siqueira é médico, membro do Comitê Central do PCdoB e vice-prefeito de Recife.

Anúncios

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s