Luciano Siqueira: Vozes convergentes em busca da unidade ampla

A decisão do STF de encaminhar à Câmara dos Deputados a segunda denúncia da Procuradoria Geral da República contra Temer e as declarações duras do deputado Rodrigo Maia, presidente em exercício, contra interferências do Planalto na disputa por parlamentares de direita ora alojados no PSB são a bola da vez no noticiário da crise.

Quase que apenas “detalhes” num oceano de contradições que afetam todas as esferas da sociedade brasileira.

Concomitantemente, a mini reforma política confirma remendos num sistema caduco. Menos mal, pois com a atual composição do Congresso Nacional, reformas estruturais progressistas são impensáveis.

O fato é que a conjuntura pós-impeachment segue marcada pala imprevisibilidade e pela dispersão no terreno das ideias, enquanto avança a agenda regressiva de cunho neoliberal encetada por Temer e seu bando.

Nesse cenário, permanece a discrepância entre o grau de insatisfação reinante na sociedade e o aparente imobilismo.

A reação popular, aqui é mundo afora, em geral não se faz de imediato a uma grande derrota.

O primeiro momento configura perplexidade e resistência “primária”, onde cada segmento social e cada corrente política reage como pensa que pode e conforme suas circunstâncias, sem que as energias convirjam para um mesmo leito.

Esse é o desenho natural da evolução da consciência social mais avançada em tempo bicudo.

O PCdoB — que detém a primazia na análise multilateral do que se passa no país desde 2002, incluindo o legado dos governos Lula-Dilma — tem assinalado a absoluta necessidade da construção de ampla frente social e política em torno de uma plataforma destinada à superação da crise e a retomada do ciclo transformador, em novo patamar.

Uma empreitada hercúlea. Nada fácil, como nunca foi. Nem há fórmula definida nem roteiro rígido.

O diálogo entre os diversos segmentos da atual resistência, incluindo personalidades e grupos que se desgarram das hostes governistas, ao mesmo tempo e em sintonia com as manifestações concretas de luta nos salões e nas ruas, há que prosseguir — livre de estreitezas e sectarismos, tendo a defesa da nação como vértice.

A existência de pré-candidaturas à presidência da República, nesse cenário, além de um direito natural dos partidos, pode contribuir para uma ulterior conjugação de forças. Lula, pelo PT e Ciro Gomes, pelo PDT pode cumprir esse papel.

Em seu documento-tese em debate relativo ao 14° partidário, o PCdoB reafirma que seus esforços “pela constituição da Frente Ampla, pela coesão do campo democrático patriótico e popular, em torno de um programa e de uma candidatura; podendo, nesse processo, apresentar ao povo e às forças políticas progressistas uma pré-candidatura presidencial que contribua para a concretização destes objetivos.”

Uma pré-candidatura do PCdoB, nesses termos, em muito poderá contribuir no debate de novos rumos para o país.

Luciano Siqueira

 

https://www.facebook.com/LucianoSiqueira65/  * www.lucianosiqueira.blogspot.com

https://twitter.com/lucianoPCdoB

 

Anúncios

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s