Luciano Siqueira: Trincheira da luta que se impõe


Vem de Engels a consideração de que o embate de ideias configura um terreno específico da luta de classes, articulado e em paralelo às demais frentes de luta, social e política que se desenrolam cotidianamente.

Tudo a ver com o peso decisivo da consciência avançada no esforço de deslindar os complexos problemas que dão conteúdo aos conflitos, especialmente em situações críticas na sociedade.

Ou seja, sem referências teóricas seguras e sem uma verdadeira práxis o movimento transformador dificilmente ultrapassa os limites do imediato, não alcança patamares superiores, esbarra em obstáculos interpostos pela classe dominante.

Vimos isso no transcorrer dos treze anos de governos Lula-Dilma, que a par de propiciarem conquistas políticas e sociais relevantes, parte delas sem precedentes em nosso país, soçobraram na engrenagem estatal, que se manteve intacta.

A força hegemônica nesse período patinou justamente por carência de descortino teórico e político estratégico.

Agora, mais do que antes, impõe-se a luta no terreno das ideias. Enfrentá-la em sua real dimensão é desafio da militância consequente.

À sua época, não foi sem razão que Lênin, em bilhete a uma irmã a quem confiara a missão de encaminhar à gráfica os originais de sua magistral obra teórica ‘Materialismo e empiriocriticismo’, a advertiu ser aquela naquele exato momento “a tarefa ‘prática’ mais urgente” da revolução Russa.

Também na mesma linha, quando da débâcle da URSS e dos regimes do Leste da Europa, e da evidência de uma crise da própria teoria revolucionária, João Amazonas proclamou em artigo na Revista ‘Princípios’ que “defender e desenvolver a teoria marxista se impunha como tarefa central”.

Óbvio que não se trata de arrefecer o ânimo e a iniciativa na resistência que ora se desenvolve em relação ao ilegítimo governo Temer e à sua agenda antinacional e regressiva de direitos. Trata-se sim, de maneira irrecusável, respaldar essa resistência com a compreensão mais profunda do que ocorre no país agora e elucidar a perspectiva estratégica em seu desdobramento.

Isto não se faz apenas com protestos e denúncias, que em si são válidos e necessários, alimentam o movimento. Faz-se através de amplo e consistente debate, que aborde questões fundamentais.

O 14° Congresso do PCdoB, cuja plenária final ocorrerá de 17 a 19 próximos, encara esse desafio com ousadia. Estabelece uma agenda capaz de esclarecer e, em diálogo com outras correntes políticas e segmentos progressistas, contribuir para a construção de uma plataforma comum destinada a conjugar amplas forças interessadas na superação da crise, na restauração da democracia e na recomposição do Estado como indutor do desenvolvimento em bases soberanas.

Luciano Siqueira

https://www.facebook.com/LucianoSiqueira65/  * www.lucianosiqueira.blogspot.com

https://twitter.com/lucianoPCdoB

Anúncios

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s