Os blocos engajados de São Paulo que refletem um novo espírito no país


Campanha Campanha “Não é não” contra o assédio sexual é destaque no Carnaval de São Paulo
 

Durante o feriado de carnaval São Paulo fica tomada pelos bloquinhos de rua. Algum tempo atrás, a capital paulista não tinha tanta tradição nesse riscado, mas, nos últimos anos, o paulistano começou a se aproximar e se apropriar mais dos espaços públicos e isso mudou.

O carnaval de rua de São Paulo foi crescendo e, em 2018, de acordo com a SPTuris, serão 400 cortejos, que devem atrair mais de 600 mil turistas. Mas alguns desses blocos trazem, muito além do festejo e da folia, uma referência de luta e resistência nos mais diversos espectros.

São movimentos de mulheres, LGBT e dos negros, como o Gaymada e o Preto Zumbiido Afropercussivo. O já tradicional Ilu Obá de Min leva para a rua os orixás e toda a tradição do candomblé. Além dos que trazem na escolha de gêneros musicais uma mensagem de luta, como o Beat Loko, de hip hop, e o LoveFest, com a nova cena musical que reúne artistas LGBT e negros.

Confira os blocos que irão acontecer nesta segunda e terça:

Terça-feira (13/02)

Bloco do Comandante – das 17h às 22h

Rua Joao Passalaqua – Bela Vista

Bloco dos Invertidos – das 14h às 19h

23 de maio – Viaduto Sta Generosa – Vila Mariana

Bloco Tô de Bowie – das 14h às 20h

Largo do Arouche – República

Gopslock – das 17h às 22h

Praça do Patriarca – Centro

Por Paloma Vasconcelos da Ponte Jornalismo

Anúncios

Um comentário

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s