Luciano Siqueira: Dois propósitos que não deveriam se conflitar

em

Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, o ex-ministro e atual prefeito de Araraquara, Edinho Silva, do PT, anuncia dois objetivos do seu partido no pleito de outubro: a defesa do ex-presidente Lula, em primeiro lugar; e em segundo lugar a vitória eleitoral.

 

 

Ou seja, a questão crucial para as forças de esquerda, democráticas e progressistas — interromper o golpe através de uma vitória eleitoral em outubro — estaria em segundo plano.

Vale dizer, em segundo plano os interesses da nação e do povo brasileiro.

Não que o ex-presidente Lula não mereça a solidariedade de todos os que compreendem o processo de perseguição de que é vítima, que culminou com a sua condenação e prisão largamente avaliada por juristas de diversas correntes como uma arbitrariedade.

Lula merece, sim. Como o PT tem todo o direito de insistir com a sua pré-candidatura à presidência da República, até que o TSE a confirme ou a recuse.

Não pode, entretanto, subestimar a absoluta necessidade de uma convergência de forças, a partir da esquerda, para o embate que se avizinha.

Como bem assinalou Renato Rabelo, presidente da Fundação Maurício Grabois, em conclave sindical recente, “a batalha eleitoral é agora o centro de gravidade da luta política”.

O ex-ministro petista, no entanto, formula uma “engenharia” política complexa, difícil de concretizar na prática. Diz ele, na citada entrevista, que o PT deve fazer um movimento mais amplo do que o eleitoral, em torno da defesa de Lula, embora reconheça a importância de vencer o pleito. Mas a luta eleitoral não pode “contaminar” a defesa de Lula, adverte.

O fato real e irrecusável é que estamos às portas de uma batalha de enorme magnitude, em meio a uma correlação de forças adversa. Porém em razão de fissuras e contratempos nas hostes governistas, uma ação unificada e competente dos partidos e segmentos oposicionistas mais consequentes poderá resultar num segundo turno a partir de que uma ampla frente possa sair vitoriosa.

Isto seria uma conquista de grande valor. Poderia dar azo a um novo pacto social e político capaz de redefinir os destinos do País.

Mas a dimensão desse desafio parece escapar à análise do prócer petista.

Mas há tempo para corrigir o equívoco e enfrentar os dois desafios — disputar o pleito com chances de vitória e defender o ex-presidente Lula — sem essa incorreta inversão de prioridades que, além de falsa, produz um indesejável conflito entre os dois propósitos igualmente justos.

 *Luciano Siqueira é médico, vice-prefeito do Recife e membro do Comitê Central do PCdoB.

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

  1. Val Silva disse:

    Engraçado o autor parece se esquecer de dois pequenos grandes detalhes!
    1º Lula é evidentemente a maior chance de vitória da esquerda pois mesmo preso se apresenta com mais de 35% das pretensões de voto e
    2º A efetivação da eleição de Lula passa obrigatoriamente por sua soltura .
    E digo mais se depender dessa “esquerda” que está aí vou começar a pedir “voto útil” para Lula vencer logo no primeiro turno, porque não me parece difícil que certos “esquerdistas” despontados com suas votações insignificantes do 1º Turno venham a trair a esquerda no 2º turno, mas tudo pode mudar se desde já PC do B e PSOL se absterem de suas candidaturas em favor de Lula!

    Curtir

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s