“Resistir é tão importante quanto atacar”, a mensagem da esquerda no Fórum de São Paulo


Convocados pelo Foro de São Paulo XXIV, mais de 625 delegados de 51 países e 168 organizações, como partidos e movimentos de esquerda na América Latina e no Caribe se encontram novamente em Havana para discutir a necessidade de unidade ante a ofensiva de direita na região. Lea a Declaração de Havana!

Fundada no início dos anos 1990 pelo líder da Revolução cubana, Fidel Castro e pelo líder político brasileiro e depois presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, o organismo encontra-se em um contexto de ataques contra as forças progressistas e à esquerda, utilizando métodos de guerra não-convencional, mas também depois de registrar uma vitória histórica nas eleições mexicanas e progresso sem precedentes na Colômbia, onde Gustavo Petro obteve mais de 40% dos votos.

O membro do secretariado do Bureau Político do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba e chefe de seu Departamento de Relações Internacionais, José Ramón Balaguer Cabrera, recordou o discurso do líder da Revolução cubana, Fidel Castro, entre os dias 21 e 24 de Julho 1993, quando ocorreu a IV reunião do Foro de São Paulo em Havana.

Suas reflexões em favor da unidade mais ampla anti-imperialista em prol da integração da América Latina e do Caribe, sua crítica do neoliberalismo e seus apelos à firmeza e otimismo sobre a desintegração da URSS, ainda ecoam nesta câmara, disse Balaguer.

“A Fidel e Lula, arquitetos da criação do Foro”, acrescentou, “nós dedicamos esta nova edição, que realizada em um contexto internacional, complexo e desafiador que marcou os debates de 1993 “.

Balaguer disse que o PCC fará todo o possível para ajudar esta nova troca a concluir com acordos práticos e com maior consciência da necessidade de avançar na unidade continental mais ampla.

“Para os revolucionários cubanos, essa unidade continental é essencial”, afirmou, lembrando as experiências do líder cubano em sua resistência aos ataques dos Estados Unidos.

“Construir a unidade foi e é essencial para neutralizar qualquer ofensiva do adversário”, acrescentou.

“Faremos todo o possível para que o Fórum permita refletir sobre como alcançar o objetivo estratégico comum de retomar a iniciativa política”, acrescentou.

Balaguer apontou que constitui um “fato real” que o “campo progressista no continente está em uma relação adversa”, mas disse que isso não é novo, nem definitivo ou fatal.

“Perder uma batalha nada mais é do que a obrigação de ganhar outra”, disse ele, citando o apóstolo cubano José Martí.

Ele também lembrou a máxima fidelista de transformar os contratempos em vitória.

“Somos forçados a nos perguntar as razões que explicam a atual correlação de força, com um sentido crítico e autocrítico”, disse Balaguer. “Mas o inimigo a derrotar não está entre nós, mas é o imperialismo e seus aliados em nossos países.”

“Entre nós, as coincidências são maiores que as diferenças”, acrescentou. “As opções do triunfo se multiplicam se houver unidade.”

O político cubano enfatizou que a direita dedica recursos financeiros poderosos para desacreditar as experiências de governos progressistas e difamar políticas sociais, mas pediu para não jogar nas mãos daqueles que veem mais fracassos do que sucessos quando se examina as experiências dos anos passados.

“A direita insiste em erros, mas não fala sobre o boicote e os planos para fazer os projetos falharem”, disse ele. “O exercício crítico e autocrítico é exclusivo de cada força política e devemos dar prioridade ao que nos une e não ao que pode nos dividir.”

Balaguer concluiu suas palavras com um apelo para aproveitar a XXIV Reunião do Foro de São Paulo para reforçar a unidade e assumir a iniciativa política.

Monica Valente discurso sob a atenção dos principais dirigentes políticos de Cuba, Bolívia e Venezuela.

Brasil sob ofensiva brutal e resistência

Mónica Valente, Secretária Executiva do Fórum, destacou a importância estratégica e política deste 24o. encontro em Havana, Cuba.

“A ideia visionária desses dois líderes [Lula e Fidel] para formar uma plataforma política anti-imperialista e antineoliberal sob o lema de unidade e consenso, parecia uma utopia que nunca poderia se alcançar,” Valente disse em seu discurso inaugural.

“Mas ao longo dos anos, as ideias de uma América Latina e do Caribe soberanos, integrados com o desenvolvimento econômico e social para tudo e todos, era possível, real, concreta”, acrescentou. “Desde Hugo Chávez, em 1998, começamos a construir uma alternativa real de um novo presente e um novo futuro para nossos povos.”

Valente citou entre as realizações do estágio anterior o fortalecimento do Mercosul, a criação da Unasul, ALBA, Petrocaribe e, finalmente, CELAC, com a proclamação da América Latina como uma zona de paz.

No entanto, ela alertou que, como nos anos 1990, hoje, se vive uma “forte contra-ofensiva imperialista e neoliberal”.

“Não é suficiente dizer que sofremos os mais brutais ataques que imaginávamos quando estávamos construindo esta nova América Latina e Caribe”, assinalou.

A secretária-executiva reconheceu que muito do que se está atualmente a sofrer se deve a “nossos próprios erros”, no entanto, não pode deixar de considerar também que “esta brutal contra-ofensiva é uma reação do capitalismo em sua forma mais selvagem, com alto grau de concentração de capital nas transnacionais “.

“Na política, resistir a ela vale tanto quanto atacar”, disse ela, citando os exemplos da revolução bolivariana, a Nicarágua sandinista e a luta pela liberdade de Lula, que permanece favorito para as próximas eleições em seu país, apesar da perseguição política contra ele.

Valente pediu uma análise aprofundada da situação atual e quais são as forças e condições da esquerda. “Este XXIV Foro pode ter a mesma importância histórica dos anos 1990, quando o Muro de Berlim caiu”, disse ela.

Dilma Rousseff: A Revolução Cubana iluminou todo um continente

Dilma destacou a importância de se adaptar às condições do momento e elogia a qualidade de Fidel de sempre “perceber as mudanças na realidade”.

“Eu era capaz de compreendê-lo porque tinha uma imensa curiosidade”, ela disse, e relata suas visitas como presidenta a Cuba, onde se reuniu com Fidel e suas incontáveis ??perguntas sobre a realidade do Brasil, BRICS e do mundo contemporâneo.

“Eu fazia parte da primeira geração influenciada pela vitória da Revolução Cubana, a geração que, de 1959, olhou para a transformação que tinha ocorrido nesta pequena ilha que iluminou todo um continente e mostrou que era possível estabelecer o socialismo” , diz a presidente brasileira Dilma Rousseff.

Dilma esteve nestes dias nas sessões do Foro em Havana. Nesta sessão de homenagem a Fidel, disse: “Nós temos mais em comum do que diferenças”, e chamou as forças progressistas da região para fortalecer a unidade e respeito às diferenças, a fim de lidar com o ataque da direita que os movimentos progressistas vivem hoje.

Caribe sob ameaça

Ralph Gonsalves, primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, falou em nome dos pequenos países do Caribe. Observando as práticas de dominação do imperialismo e do capitalismo monopolista, disse que “nem é preciso ser marxistas para apreciar o assunto, apenas entender o que pode se tornar a política e o que podemos fazer (…) O imperialismo nos dividiu muito e hoje há uma ofensiva como a que estamos vendo na Argentina e no Brasil. ”

“Há uma ameaça comum em toda a região”, disse ele, e recordando a história em que se destacam homens como Bolívar e Martí, declarou: “Tem sido uma luta difícil, e a atual não será menor. Eu vejo muitos jovens aqui, eles continuarão a luta anticolonialista, anti-imperialista, anti-neoliberal. Para isso, devemos construir a unidade mais ampla”.

Representativo

A primeira sessão do evento é presidido pelo segundo-secretário do Partido Comunista de Cuba, Ramon Machado Ventura, e tem o apoio do primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, Ralphs Goncalves, lutador pela independência porto-riquenha, Oscar Lopez Rivera, e a ex-presidenta do Brasil Dilma Rousseff, entre outras personalidades latino-americanas.

Entre os 439 participantes, estão também convidados representantes de partidos e movimentos da Ásia, Europa e África.

O Foro de São Paulo surgiu como um mecanismo para buscar a unidade das forças que estão comprometidos com uma alternativa ao neoliberalismo na América Latina e no Caribe, após a queda do campo socialista. Por quase três décadas, permaneceu como referência para as lutas sociais e o debate político na região.

 

 

https://cdn.knightlab.com/libs/timeline3/latest/embed/index.html?source=10H1J2vmEGdcUQCnPc7IGKBGQi03vhxCCOhipLJPoFrI&font=Default&lang=en&initial_zoom=2&height=580

A secretária executiva do Foro, Mônica Valente, leu a Declaração de Havana, que resume as contribuições desta XXIV reunião. Entre seus principais aspectos, destaca-se:

  • A América Latina está experimentando uma contra-ofensiva reacionária pela direita e pelas classes dominantes de nossa região.
  • Esta contra-ofensiva conseguiu reveses nas forças progressistas.
  • Existe uma estratégia para a judicialização da política e a desqualificação dos principais líderes de esquerda.
  • O desempenho do direito está diretamente relacionado à natureza expansionista do capitalismo.
  • Entre o último encontro em Manágua, em 2017, os efeitos negativos da concentração da propriedade foram aprofundados.
  • Essas realidades são agravadas pela tendência agressiva da administração de Donald Trump nos Estados Unidos, que atenta contra a declaração da América Latina e do Caribe como zona de paz.
  • Os Estados Unidos e seus aliados precisam consolidar a visão de que a região entrou em um estágio de retrocessos em favor do capitalismo.
  • Rejeitamos a ideia do fim do ciclo progressivo com a mesma firmeza com a qual, na época, o fizemos com a declaração do fim da história.
  • Chame a unidade da esquerda e do acampamento popular para organizar e lutar.
  • Preservar as experiências dos governos populares e antiimperialistas
  • Estimular os esforços emancipatórios e anticapitalistas dos movimentos sociais.
  • Você faz esforços para a integração soberana de Nossa América, de modo que eles são um imperativo para a esquerda.
  • Os partidos políticos membros chegam ao encontro com um superior político acumulado que é multiplicado pela ação articuladora do fórum e pela plena consciência da impossibilidade do capitalismo de oferecer alternativas à humanidade.
  • Há exemplos suficientes na história da América Latina e do Caribe que mostram que quando há unidade e raízes nas classes populares, as opções são multiplicadas para conter qualquer ofensiva contra-revolucionária e derrotá-la.
  • Rejeitamos políticas anti-imigrantes, especialmente aquelas que são aplicadas nos Estados Unidos pela administração Trump.
  • Apoiamos as demandas dos pequenos Estados insulares do Caribe para que sejam compensadas pelos danos da escravidão.
  • Apoiamos o levantamento incondicional do bloqueio dos EUA contra Cuba e a indenização ao povo cubano pelos danos e prejuízos causados ??por mais de meio século de agressões de todos os tipos.
  • Exigimos o retorno ao povo de Cuba do território ocupado ilegalmente pela Base Naval dos Estados Unidos em Guantánamo.
  • Nós exigimos a eliminação das bases militares dos Estados Unidos na região, 77 no total.
  • Nós exigimos a liberdade imediata de Lula. “Lula libre, Lula inocente, presidente do Lula”.

 

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s