Alckmin fortalece agenda de Michel Temer e pode jogar país no abismo


A pré-candidata do PCdoB à presidência da República, Manuela D’Ávila, postou nesta semana nas redes sociais que partidos do centrão – bloco formado por DEM, PR, PP, PRP e Solidariedade – são a espinha dorsal do governo de Michel Temer e que o apoio deles ao candidato tucano à presidência Geraldo Alckmin mostra que estão todos do mesmo lado. “o tucano é a continuação do governo mais odiado do país”.

Foto: Beto Barata/PR

 

A sintonia política entre tucanos e o atual governo se expressa na agenda de retirada de direitos sociais e trabalhistas implementada por Michel Temer desde o golpe de 2016. Nas grandes votações, como aprovação da reforma trabalhista e do teto de gastos, o PSDB votou a favor do governo.

Desmonte do estado, privatizações, reforma da previdência social e congelamento de gastos são pontos em comum entre o programa de Alckmin e o governo Michel Temer. A presidenta nacional do PT ironizou o avanço das conversas entre Alckmin e o centrão, o que vai aumentar sensivelmente o tempo de tv do tucano.

Muito tempo na tv para se explicar ao povo

“Eles vão precisar de mais tempo para justificar toda a lambança que fizeram no Brasil. O Alckmin, por exemplo, vai ter que justificar o apoio ao Temer, ao impeachment da Dilma, a emenda Constitucional 95, a reforma trabalhista. Eles vão precisar de muito tempo para se explicar ao povo brasileiro”, declarou Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT, em matéria publicada nesta sexta-feira (20) na Folha de S.Paulo.

Em post no twitter, Alckmin confirmou a intenção de preservar a reforma trabalhista tal qual foi sancionada por Michel Temer. A publicação não repercutiu bem entre sindicalistas, entre eles o presidente licenciado da Força Sindical, Paulinho. A reforma trabalhista de Temer avalizada pelo PSDB abalou a contribuição sindical, uma das fontes de sobrevivência dos sindicatos.

O mercado também se mostrou otimista com um possível apoio do centrão a Alckmin. A aliança sinaliza manutenção da agenda implantada por Temer desde 2016. É uma candidatura sem riscos. Notícias publicadas neste final de semana apontam que a definição do apoio do centrão poderá ser confirmado na próxima semana.

Contra o abismo, a unidade da esquerda

Na opinião do presidente em exercício da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Divanilton Pereira, a tarefa da direita (“o centrão é, na verdade, direitistas disfarçados de centro”) não será fácil, caso se consolide o apoio a Alckmin. “Apresentar a plataforma anti-povo deles num quadro de desastre social, não será uma tarefa fácil. Portanto, essa tramoia cupulista não foi combinada com o povo”. Para ele, os golpistas foram enquadrados pelo rentismo que comanda o país com o “objetivo de dar continuidade a agenda de Temer”.

Divanilton avaliou que o momento atual exige a unidade das candidaturas do centro-esquerda. Sem essa aliança das esquerdas o campo perde competitividade, afirmou. “A hipótese da vitória da direita significaria a legitimação de uma agenda que jogaria o país num abismo. A CTB reforça aqueles que têm como estratégia derrotar essa turma e não apenas para demarcar posição e/ou projetos particularistas”, opinou.

Do Portal Vermelho

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s