Ricardo Capelli: Mito! – A dura lição


Bolsonaro foi recebido assim na posse dos novos procuradores da República. Raquel Dodge, chefe da PGR, lhe fez elogios públicos. Disse que o presidente “inaugura um mandato de mudanças e renova a esperança de todos os brasileiros.”

Tudo isso depois do presidente ter dito que vai ignorar a lista da corporação e indicar para chefia do ministério público algum procurador sintonizado com suas ideias. Segue a linha de FHC, que fez de Brindeiro seu fiel escudeiro.

Tudo isso depois de Bolsonaro dizer que vai pra cima dos abusos do ministério público na área ambiental, de defender acabar com a justiça do trabalho e de atacar uma série de direitos da patuleia. Não seria tarefa do MP defender estes direitos?

A anomalia dos altos salários de algumas carreiras de Estado transformou estes postos no sonho de consumo da classe média brasileira. Seu João e Dona Maria ganham menos de mil reais de salário mínimo mas pagam impostos, diretos e indiretos, para sustentar uma casta que ganhará até 39 mil reais por mês num país de 12 milhões de desempregados.

Parece indecente. E é. O Estado brasileiro, com a ajuda da esquerda, inaugurou o “empreendedorismo público”. É possível enriquecer sem correr nenhum risco com o suado dinheiro da viúva através do sagrado concurso público. Um jovem de 25 anos faz seu primeiro concurso e entra em algumas carreiras ganhando 26 mil reais. Salário inicial. Uma bagatela, não?

Esta jaboticaba indecente sequestrou o orçamento público. A aliança entre as corporações das grandes castas do Estado e o capital financeiro em torno do “Mito” vem desde as eleições. Com o aperto nas contas públicas é preciso “tirar o povo da jogada”, restringir políticas públicas para continuar financiando os privilégios e os negócios de alguns.

“Respeito a eleição da categoria” e outras baboseiras supostamente republicanas são algumas das realidades imaginárias inventadas para seduzir uma esquerda ingênua “que se sente francesa”. O que sempre importou de fato é o destino dos impostos pagos por Dona Maria e Seu João.

Se vão preservar “nossos interesses de classe, que se dane a democracia”. A lição é dura. Foi aprendida?

Anúncios

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s