Luciano Siqueira: Seis penosos minutos


Inicialmente, os organizadores do evento lhe ofereceram trinta e cinco minutos. Ele recusou, pois tanto tempo não lhe seria necessário. Ficou combinada uma fala de quinze minutos, o suficiente para que o orador sintetizasse a grande novidade: os rumos que a extrema direita, excepcionalmente no poder através das urnas, pretende imprimir ao principal país da América do Sul.

Divulgação

“A surpresa está na ausência de um texto que o orador pudesse ler, preparado pelos Chicago Boys “, diz Luciano

O orador usou apenas seis minutos — sofridos minutos ocupados por uma voz reticente, titubeante, entrecortada pela tensão própria de quem vai à tribuna sem saber o que dizer diante de um público qualificado.

O vexame surpreende não propriamente pelos predicados do orador, de mente precária e vocabulário tosco, dado a rompantes agressivos, preferencialmente quando se pronuncia sobre seu tema predileto — o combate à violência criminal através de mais violência. Se possível, com cidadãos armados para uma suposta autodefesa.

Mas o público reunido naquele auditório, em Davos, na Suíça, não estava interessado nesse assunto. Nem na cantilena, agora precocemente esmaecida, do combate à corrupção. Desejava saber da economia, pois ali se examinam alternativas à crise global sob a ótica do sistema financeiro, predominantemente.

A surpresa está na ausência de um texto que o orador pudesse ler, preparado pelos Chicago Boys ocupantes do super ministério da Economia.

Deixar o orador entregue à própria sorte foi um erro. Ou mais uma manifestação da desarticulação da equipe governamental?

Pior: o vexame se segue nos contatos bilaterais constantes na agenda do capitão presidente.

O que me faz lembrar um colega de turma no curso médico da Faculdade de Medicina da UFPE, numa prova oral de anatomia. O professor lhe entregara uma peça conservada no formol (parte do cérebro humano) e pediu que a identificasse:

— O que o senhor tem em mãos?

— Uma parte do cérebro, professor.

— Qual parte?

— … (nervoso, apertando a peça)

— Responda, por favor.

— Professor, eu acho que…

— O senhor não acha nada, pois acabou de esmagar em suas mãos um cerebelo! E sua nota é zero.

Se algum colega o tivesse socorrido, escrevendo a resposta numa folha de papel exibida por trás do professor, como alguns faziam, quem sabe nosso colega tivesse obtido pelo menos uma nota 4. Mas ninguém o ajudou.

Igual ao discurso do presidente em Davos. Faltou a fila, ficou o vexame.

Publicado originalmente no Blog de Jamildo.

(*) Luciano Siqueira é vice-prefeito do Recife e dirigente estadual e nacional do PCdoB.

Anúncios

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s