Renildo Calheiros: Conhecimento é riqueza


Dizer que os mais ricos são maioria absoluta nas universidades públicas é uma falácia. Já foi assim um dia, é verdade. Mas pesquisas têm mostrado que isso mudou. E é obrigação dos que, como eu, defendem a educação pública, de qualidade e para todos, desmistificar essa teoria.
Com o passar dos anos, o número de jovens das classes D e E matriculados nas universidades públicas cresceu. A 5ª Pesquisa de Perfil Socioeconômico dos Estudantes das Universidades Federais, da Andifes, divulgada em maio deste ano, demonstrou que a maioria dos alunos de graduação das universidades federais brasileiras vêm de famílias com renda per capita de até um salário mínimo e meio, cursou o Ensino Médio em escola pública e tem pais que não fizeram faculdade.

Quando o presidente diz que o foco de investimentos será em áreas que geram retorno imediato ao contribuinte, como veterinária, engenharia e medicina, ele desqualifica as áreas de humanas e as ciências sociais, fundamentais para o enfrentamento de questões importantes para o desenvolvimento do país, como desigualdade, violência e baixa qualidade de vida da população. Ele também desacredita outros cursos das áreas de saúde e exatas e, mais uma vez, das humanas. Enfermagem, matemática, fisioterapia, terapia ocupacional, química, odontologia, farmácia, economia, psicologia, magistério, licenciaturas e outros cursos também são relevantes para construção de uma sociedade melhor, mais saudável e promissora.

Por isso, mais do que nunca, nossas universidades federais precisam mostrar o que produzem, nossos pesquisadores devem intensificar a divulgação das suas descobertas. Isso torna nosso país mais atrativo para investidores, turistas, movimenta a economia e torna explícita a grande contribuição dessas instituições. Como fizeram pesquisadores da USP ao devolverem movimentos para vítimas de AVC e pesquisadores da UFF que usaram a inteligência artificial para detectar doenças mentais.

Além dos resultados práticos que algumas pesquisas oferecem, elas servem como base para o desenvolvimento de novas tecnologias, medicamentos e soluções em geral que contribuem para melhorar a vida das pessoas. E vale ressaltar que mais de 95% da produção científica do Brasil são das universidades públicas. Nesses espaços, a produção intelectual também transforma as perspectivas de vida dos jovens estudantes. Eles passam a sonhar com melhores oportunidades de emprego e, por que não, com maneiras criativas de levar seus conhecimentos para transformar as suas comunidades.

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s