Centrais argentinas CTA e CGT respondem à devastação macrista com unificação


Com a participação de mais de mil delegados de todo o país, o Congresso Anual Ordinário da Central dos Trabalhadores Argentinos, CTA, aprovou “o início de uma reunificação histórica para o movimento sindical, o retorno ao seio da Confederação Geral do Trabalho, CGT”, fato que supera a ruptura e divisões ocorridas a partir de 1991.

O amplo e representativo encontro da CTA, ao qual assistiu o candidato a presidente da Frente de Todos, Alberto Fernández, apoiou a chapa peronista para as eleições de 27 de outubro e manifestou que “se impõe começar o caminho da unidade sindical”. Até hoje existem duas CTA’s, a dos Trabalhadores e a Autônoma, que também estão em processo de unificação.

“Depois de anos de políticas neoliberais que levaram os trabalhadores ao desastre, este Congresso definiu com maturidade e responsabilidade política o começo do caminho que conduzirá a um diálogo difícil, porém imprescindível para conquistar a unidade”, disse o dirigente da Central, líder do professorado, Hugo Yasky, acompanhado, entre outros, por Roberto Baradel (Sindicato Unificado de Trabalhadores da Educação de Buenos Aires, Suteba), Sonia Alesso (Confederação de Trabalhadores da Educação, Ctera), Roberto Pianelli (Metrô), Claudio Marín (telefônicos) e do secretário-geral da CTA-Autônoma, Pablo Micheli.

Após uma longa jornada de debates, precedida por assembleias em todo o país, Yasky assinalou que este processo se fundamentou “na unidade que se forjou na luta nas ruas dos trabalhadores da CTA junto com sindicatos da CGT” e especialmente de suas entidades regionais, contra a política antinacional e neoliberal do governo de Macri, e convocou todos a serem “capazes de construir essa unidade”.

Me perguntam de onde vou ter dinheiro para tirar o país do buraco e eu digo que vou conseguir recursos deixando de pagar a usura que é levada aos bancos. Vamos deixar de pagar aos usurários para que os professores tenham um salário digno, para pagar aos aposentados, para que todos os trabalhadores tenham seu emprego com direitos e salários justos que sustentem suas famílias”, ressaltou o candidato da Frente de Todos e acrescentou: “Vamos nos levantar uma vez mais e vamos ser a Argentina que merecemos”.

“A CTA se formou em 1992, em um momento em que a CGT esteve sob uma direção que conciliava com a política do governo de Carlos Menem que já aplicava medidas de ajuste, flexibilização trabalhista e destruição das empresas públicas. Dois anos depois se criaria o Movimento dos Trabalhadores Argentinos, com Alicia Castro e Hugo Moyano, mas este agrupamento de vários sindicatos combativos se organizou como corrente interna da CGT.

A CTA, mais Hugo Moyano, mais os sindicatos que conformam a Corrente Federal dos Trabalhadores, vêm atuando unidos desde há pelo menos três anos. Esse período de compartilhar a resistência e rechaçar as tentativas governamentais de dividir o movimento sindical através de pequenas concessões a algumas categorias, prepararam o caminho para esta decisão da CTA encabeçada por Hugo Yasky.

Fonte: Hora do Povo

1 comentário

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s