Luciano Siqueira: Líderes devem enxergar para além da própria sombra


É que a crise implica profunda compreensão das contradições que a fomentam e descortino para identificar saídas. E não são muitos os que têm a capacidade de enxergar além da superfície.

Daí não serem poucos os que se vêem enredados em contradições menores e excessivamente voltados para seus próprios projetos, encastelados nos limites da corrente política a que pertencem.

As consequências são imprevisíveis, tanto para a manutenção da proeminência, na cena política, desta ou daquela personalidade, como para os rumos mesmo da luta comum.

Em entrevista recente, o ex-presidente Lula referiu-se aos impactos das transformações do mundo do trabalho na estrutura sindical representativa das diversas categorias profissionais. Num exemplo simples assinalou que já não se fazem pequenas assembleias em porta de fábrica, próprias da existência de grandes contingentes operários em unidades industriais que hoje já não existem, tamanha a redução da mão-de-obra empregada no processo produtivo. Uma dificuldade concreta de arregimentação de forças pela base.

Se o líder petista estender o seu raio de análise para um conjunto mais largo de transformações que se operam nas relações sociais em tempo da chamada Revolução Industrial 4.0, inclusive nos meios de comunicação entre as pessoas e de formação da consciência política coletiva, provavelmente ele se beneficiaria muito do alargamento da análise e, como se diz na gíria, cairia na real.

O drama brasileiro de hoje não pode ser examinado apenas ou predominantemente nos limites do Partido dos Trabalhadores, por mais importante que continue sendo essa agremiação.

Tampouco também não se resolve nos limites estreitos do debate intramuros das demais correntes políticas do campo democrático e popular.

A empreitada posta agora é de grande dimensão. Implica em resistência imediata às políticas nefastas empreendidas pelo governo Bolsonaro — sobretudo na defesa do Estado democrático de direito — e a construção, a muitas mãos, de um novo projeto de desenvolvimento para o país.

Há sinais muito ruins no campo democrático, protagonizados por líderes que teimam em se voltarem para o próprio umbigo. E há sinais muito positivos, a exemplo do que tem feito o governador do Maranhão, Flavio Dino, do PCdoB, que governa seu estado com extraordinário êxito administrativo, apoiado em operante e consequente frente ampla político-partidária e social.

Mais: Flavio Dino tem praticado gestos largos na cena política nacional sinalizando no sentido do ajuntamento de consciências e de vontades num arco o mais amplo possível, na crença de que a pluralidade consequente haverá de produzir robustez na luta imediata e nova proposta para o país, capaz de empreender uma inversão na correlação de forças e um novo pacto social e político que supere a crise estrutural na qual o Brasil está mergulhado.

Protagonismo político não se conquista nem se mantém por decreto, se assenta e depende permanentemente do desenrolar dos acontecimentos. Rejeita toda e qualquer abordagem sectária e mecanicista e requer compreensão larga e dialética do processo político e social.

No Brasil dos nossos dias, sob correlação de forças ainda muito adversa, há espaço para fenômenos novos.

A conferir.

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.