No dia 8 de março, viva a emancipação humana


Neste 8 de março renovamos nossa concepção de luta pela emancipação das mulheres no Brasil e no mundo. Em todas as suas dimensões, a luta pelo fim da opressão das mulheres não pode se reduzir à defesa dos direitos humanos e do reconhecimento dos direitos das mulheres — como bem destaca a União Brasileira de Mulheres — mas entendemos emancipação como um processo social, que está ligado à luta de classes e à instauração de um novo modelo social que supere o capitalismo, ou seja, o socialismo.

Lembro, aqui nesta mensagem a contribuição inestimável para a luta emancipacionista das mulheres brasileiras do pensamento de Loreta Valadares — militante comunista na Bahia, até o fim de sua vida — quando disse em 2007: “O marxismo deve ser uma das fontes básicas do feminismo emancipacionista, em particular por sua proposta de radicalidade, de transformação social radical das bases, das estruturas da economia política e das culturas de relações sociais pautadas em subordinações”.

Esta luta emancipacionista das mulheres na história teve um ponto destacado em 1910 — durante o Congresso Socialista Internacional — realizado em Copenhague, quando Clara Zetkin, Alexandra Kolontai e Rosa Luxemburgo, lideraram o debate em torno da questão da emancipação das mulheres. O nosso desafio atual, no entanto, é aprofundar a compreensão do impacto do contexto econômico na vida das brasileiras, as mudanças ocorridas no mundo do trabalho e sua expressão no plano da luta de ideias.

Um dos aspectos importantes dessa luta no Brasil é a reduzida participação das mulheres na luta política organizada. Dos 33 partidos legalizados no quadro partidário brasileiro, apenas 4 deles tem mulheres em sua presidência. Um deles é o Partido Comunista do Brasil, com Luciana Santos presidenta do Partido. Este partido vem realizando esforços permanentes para que as mulheres ocupem seu lugar destacado nas estruturas partidárias. E estas próximas eleições deverão ser mais um marco neste processo de empoderamento feminino no PCdoB.

Por isso, mas do que belas palavras, temos que lutar praticamente, no dia-a-dia, para o objetivo de transformar a questão da mulher no capitalismo como um problema ligado à emancipação humana, como parte do processo civilizatório brasileiro.

Viva o dia Internacional da luta pela emancipação das mulheres!

RENATO RABELO
presidente da Fundação Maurício Grabois.

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.