Flávio Dino propõe investimento público e suspensão do teto de gastos


O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), defende que diante da turbulência econômica mundial e os resultados pífios da economia brasileira duas medidas são essenciais no momento.

Ele propôs a imediata suspensão do teto de gastos e a volta do investimento público. “Creio que o teto constitucional de gastos deve ser suspenso, ao menos temporariamente”, defendeu nas redes sociais.

Segundo o governador, os números do “micro-PIB” (Produto Interno Bruto) nos últimos anos sugerem uma reflexão mais profunda, especialmente sobre o papel de investimentos públicos em momentos excepcionais como o que vivemos.

“Na crise mundial de 2008, o governo Lula respondeu com obras de infraestrutura para movimentar economia e gerar empregos. O momento exige mobilização do BNDES e dos Fundos Constitucionais nessa direção, com participação dos governos federal e estaduais”, afirmou.

Outra medida defendida pelo governador é remover imediatamente obstáculos ideológicos a investimentos.

“Por exemplo, retomar o Fundo Amazônia. E as filas do Bolsa Família e do INSS devem ser zeradas com urgência, para animar o mercado interno em regiões e segmentos que mais precisam”, disse.

Por fim, Flávio Dino disse que tentar desmoralizar o Judiciário por suposta fraude em eleições, com o agravante de estar em solo estrangeiro, “é uma das atitudes mais absurdas protagonizadas por Bolsonaro como chefe de Estado”.

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.