Luciano Siqueira: Rumo aos últimos quinze dias da campanha eleitoral


Nunca assino embaixo de tudo o que analistas e marqueteiros dizem, apoiados em dados de pesquisas, acerca do desenrolar de uma eleição. Eu os respeito, sim; mas em geral deixam escapar variáveis de natureza política propriamente dita, com as quais têm dificuldade de lidar.

Por Luciano Siqueira*

Entretanto, tenho dado crédito a uma opinião que esses profissionais têm divulgado, convergente entre eles: o pleito este ano se definirá nos últimos quinze dias, pois as pesquisas revelam que mais de 50% dos eleitores tendem a se definir na reta final. Muito mais do que em eleições passadas.

Não é a descoberta da pólvora. São considerações procedentes em razão das peculiaridades da atual campanha eleitoral, determinadas sobretudo pela pandemia do novo coronavírus.

A relação entre a variável tempo e a conquista do voto sofre alterações, ainda que o fator determinante do desenlace da disputa repouse na real correlação de forças.

Mas, como nos ensina Marx no 18 Brumário, o curso da cena política frequentemente é determinado por fatores objetivos que escapam à vontade dos principais atores em presença.

Ou, na apreciação de Engels, o acaso tem o seu lugar no evolver de uma disputa.

Muita coisa pode acontecer até o dia 15 de novembro, inclusive fatos novos que, por enquanto, quase imperceptíveis, vêm sendo alimentados embaixo da superfície visível, que nem fogo de monturo.

Assim, forças aparentemente poderosas e imbatíveis poderão ser surpreendidas precisamente na freta final da disputa, quando consertar erros ou reagir à surpresa não é fácil, o tempo será curto.

Aqui em território pernambucano vi acontecer algumas vezes, como no pleito de 2000, em que no Recife e Olinda, respectivamente, ocorreram vitórias espetaculares de João Paulo (então no PT, hoje candidato a prefeito de Olinda pelo PCdoB) e Luciana Santos (PCdoB), enfrentando coalizões poderosas em volume de apoios e de meios.

Assim, mais do que o entusiasmo voluntarista é necessário cotejar todos os fatores em presença, identificar onde residem as fragilidades do adversário principal, ajustar o discurso, concentrar energias e focar as ações de campanha numa atividade que, por sua natureza, possibilite circular em todo o território da cidade, como as minicarretas.

Óbvio? Nem tanto, pois não são poucas as campanhas que ainda tentam atacar em todas as frentes, sem ter pernas para tanto.

Definir o gume do ataque e maximizar ações mais simples impõe-se agora, rumo aos últimos quinze dias da peleja.

*Médico, vice-prefeito do Recife, membro do Comitê Central do PCdoB

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.