Teoria “estupro culposo” causa revolta e repercute nas redes sociais


caso de estupro envolvendo a promoter Mariana Ferrer e o empresário André de Camargo Aranha continua a repercutir. A reação da sociedade civil foi imediata após a divulgação do vídeo da audiência pelo site Intecept, no qual o advogado de defesa Cláudio Gastão da Rosa Filho ataca a vítima, e trechos com argumentação do promotor.

Na esfera judicial, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) foi acionado para avaliar se houve omissão do juiz Rudson Marcos ao permitir o tratamento agressivo por parte do advogado do empresário. Um abaixo assinado criado nesta tarde (03/11) intitulado “Justiça por Mariana Ferrer” já contabilizava mais de 2,5 milhões de assinaturas no início da noite.

Nas redes sociais, além das agressões sofridas, a sentença de “estupro culposo” foi amplamente criticada. As mensagens apontaram a incoerência de um estupro sem ‘intenção’ e questionaram a inocência de André Aranha. As hasthtags #justicapormarianaferrer e #estuproculposo permaneceram como um dos assuntos mais comentados do Twitter durante todo o dia.

Várias celebridades de diferentes setores se posicionaram em seus perfis no Twitter para prestar solidariedade a Mariana e repudiar qualquer violência contra mulher, sobretudo a impune. Entre as postagens de mais repercussão estiveram as das cantoras Iza, Anitta e Luísa Sonza e das atrizes Taís Araújo e Patrícia Pillar. No mundo do futebol, com o qual André Aranha possui ligações, houve também manifestações a favor de Mariana Ferrer.

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.