Manuela D’Ávila: “Nosso sonho de cidade está perto”


No último debate antes do primeiro turno das eleições de Porto Alegre, realizado pela rádio Gaúcha na noite de quinta-feira (12), a candidata do PCdoB, Manuela d’Ávila, defendeu outro modelo de cidade voltado para a defesa da vida, da igualdade e das necessidades das pessoas. E, novamente, foi alvo de ataques machistas.

“Está perto, muito perto, o nosso sonho de cidade que trate todas as crianças com dignidade; uma cidade que respeite suas mulheres de verdade; uma cidade que garanta trabalho e renda para o nosso povo, com uma prefeita que trabalhe todos os dias”, concluiu nas considerações finais. E resumiu: “Não é fácil ser mulher na política; mas não precisava ser tão difícil. Enfrentamos uma campanha com ataques, com mentiras e até com candidato que tenta vencer no tapetão. Mas eu e o (Miguel) Rossetto temos apresentado, todos os dias, propostas para governar a nossa cidade”.

Já no início dos debates, Manuela obteve direito de resposta diante de ofensas desferidas pelo candidato Rodrigo Maroni (Pros), que tem sido um contumaz agressor da candidata sempre pela via pessoal e do machismo. As atitudes do candidato, aliás, renderam uma onda de solidariedade a Manuela nas redes sociais.

“No dia 4 de dezembro, às 15h30, na 13ª Vara Criminal, o candidato Rodrigo Maroni vai responder por um conjunto de acusações falsas e levianas que tem levantado contra mim”, respondeu Manuela.

“Na última segunda-feira, nós derrubamos 529 mil notícias falsas que estão circulando na internet. A eleição não pode ser resolvida nem no tapetão, nem com mentiras e nem com esses ataques absolutamente rebaixados e orquestrados contra mim. O que será que eles temem? Eu acho que eles temem uma mudança na cidade; uma mudança que garanta que mulheres e homens sejam tratados com dignidade, no Centro e na periferia. Chega de mentiras, chega de ataque, chega de briga. É hora de baixar a cabeça e trabalhar para resolver os problemas da nossa cidade”, concluiu.

No último debate antes do primeiro turno das eleições de Porto Alegre, realizado pela rádio Gaúcha na noite de quinta-feira (12), a candidata do PCdoB, Manuela d’Ávila,  defendeu outro modelo de cidade voltado para a defesa da vida, da igualdade e das necessidades das pessoas. E, novamente, foi alvo de ataques machistas.
Foto: Divulgação

Os ataques por parte do candidato, no entanto, continuaram e Manuela obteve novo direito de resposta. “Quero dizer a todos as ouvintes, os ouvintes, que lamento muito que vocês estejam sendo vítimas dessa campanha com tanto ataque, com tanta mentira, com tanta desqualificação, e com tanto machismo. Isso é violência política de gênero; é assim que nós, mulheres, definimos isso a que eu estou sendo submetida”.

Manuela continuou dizendo: “Eu não esqueço que quem levantou a voz de maneira muito digna para me defender num debate foi o Fortunati, que se ergueu e falou verdades que precisavam ser ditas para um candidato que forjou um atentado contra si mesmo e que vive de dinheiro público porque é deputado estadual e se pinta como se fosse um cara de fora da política. Meu senhor, minha senhora: vocês me conhecem desde os meus 22 anos, fui vereadora, deputada federal, estadual, e sempre contei com o seu voto e sempre fiz o debate de maneira respeitosa, o debate de ideias. E eu sou candidata a prefeita para fazer esse debate”. José Fortunati renunciou à candidatura na quarta-feira (11), um dia depois de o Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul ter decidido indeferir o registro da candidatura de seu vice, André Cecchini (Patriota).

Vacina e desemprego

Com relação à vacina e aos efeitos da pandemia, Manuela destacou: “A situação da cidade já é difícil e pode ficar ainda pior. É por isso que a gente precisa ter, na administração, pessoas comprometidas com a redução das desigualdades, com a busca da gestão própria da vacina, sem questão ideológica, sem preferência, mas com pressa. Rossetto e eu somos comprometidos com a geração de trabalho e renda a partir do microcrédito, das compras do município, dos pequenos comércios de bairro. Nós temos um programa para garantir que a crise seja amenizada junto aos mais pobres”.

Ao responder a um cidadão se queixou sobre os flanelinhas, Manuela destacou: “Para mim, a situação dos flanelinhas, assim como a situação do aumento da informalidade no Centro Histórico — que são parecidas —, estão diretamente relacionadas ao desemprego na nossa cidade. Claro, agora há a pandemia, que agravou o desemprego, mas temos 18% da população desempregada há mais de dois anos.  Isso faz com que as pessoas busquem alternativas, formas de viver”.

A candidata colocou: “Quero ser uma prefeita que luta, desde o dia seguinte à eleição, para garantir qualificação profissional, trabalho e renda para o nosso povo. Temos a política do microcrédito, das compras públicas governamentais — a prefeitura comprar do comércio de bairro — e também dos pequenos reparos nos bairros serem feitos pela própria população que vive ali. Para mim, isso evitará a ampliação da informalidade e dessa situação”.

Saúde pública

Questionada sobre a reestatização dos serviços de saúde, a partir de pergunta feita pelo atual prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB) — que tem como tônica da sua gestão as terceirizações e privatizações —, Manuela respondeu: “Sabe, Marchezan, eu fico muito impressionada com a falta de estabilidade das ações do teu governo. Vocês imaginem que, no meio de uma pandemia, a principal guerra que o prefeito resolveu travar foi contra as mulheres e homens trabalhadores do Imesf (Instituto Municipal de Estratégia de Saúde da Família), que estavam nas nossas comunidades impedindo a ampliação do contágio da Covid”.

A candidata continuou destacando: “Nós não adotaremos a mesma postura que tu. Essa é uma diferença que nós temos. Nós não interromperemos o trabalho das nossas unidades no meio da pandemia. É preciso reverter essa forma como tu governas. Somos contra as terceirizações. A Zero Hora fez uma matéria dizendo que não deu certo em nenhum lugar. Nós defendemos a gestão pública da saúde sim, os postos abertos na comunidade. Mas nós não interromperemos, no meio de uma pandemia, o atendimento que vem sendo prestado nas nossas comunidades porque há necessidade de estabilidade nas decisões da prefeitura”.

Dirigindo-se ao prefeito, Manuela colocou: “É bom que você vá conversar com as pessoas; eu vi como você foi recebido esses dias numa comunidade porque as pessoas não têm a mesma opinião que tu tens sobre a cidade, que tu dizes governar. As pessoas sentem como é viver na Porto Alegre de verdade, que não é a Porto Alegre da tua propaganda e nessa Porto Alegre falta agente comunitário de saúde”.

Com relação aos feminicídios e às políticas de proteção à mulher e combate ao machismo, Manuela destacou: “No nosso programa, demos muita ênfase à proteção da vida das mulheres. Queremos descentralizar as casas de acolhimento, de proteção, e evitar que essas mulheres, suas filhas e filhos, sejam submetidos a novas violências. Queremos, também, estabelecer a chamada Guardiã da Penha, uma parceria com a Guarda Municipal para que as mulheres com medidas protetivas se sintam seguras nas comunidades. Nós precisamos proteger as mulheres de todo tipo de agressão”.

Fonte: Portal PCdoB

1 comentário

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.