Após um ano de pandemia, será difícil conter colapso da saúde no país


Foi num dia 26 de fevereiro que se registrou o primeiro doente de covid-19 no Brasil. Um ano depois, são 10.390.461 diagnosticados com o novo coronavírus e 251.498 mortos, sendo que os últimos dois meses testemunharam uma aceleração de contágios e mortes maior que todo o ano de 2020.

Para analisar esse quadro aterrador, o portal Vermelho entrevistou o infectologista Marcos Boulos, que se mostrou pessimista com as próximas semanas da pandemia. Para ele, o quadro só tende a se agravar, pois não há muito a fazer para diminuir a circulação do vírus. “Só se todo mundo ficasse dentro de casa. Mas o que vemos é que a população já assumiu a premissa de não fazer nada para evitar o contágio. Há um clima de retomada de atividades produtivas num momento de agravamento enorme da pandemia”, lamentou.

Considerando isso, para ele, o colapso do sistema de saúde, aos moldes do que ocorreu em Manaus, é certo. Ele avalia que Manaus foi a cidade que menos seguiu protocolos de distanciamento social e “ainda preconiza tratamento precoce totalmente ineficaz contra a doença”. “Agora, resta saber qual cidade vai entrar no caos primeiro. O ABC paulista já está colapsando e Campinas também aponta para isso”, observou. Boulos percebe que há cada vez menos distanciamento social, uso de máscara e higienização.

Mas o médico e consultor do governo paulista também apresenta fatores novos que tornam o contágio pior que na primeira onda da pandemia. “Há o surgimento de novas cepas com disseminação muito maior que antes”, admite.

Ele também inclui as condições hospitalares piores que no início da pandemia. “O começo da pandemia uniu o país para enfrentar a doença. Agora, no retorno do alto contágio, não temos mais as condições hospitalares que tínhamos antes, já que hospitais de campanha foram desmontados e o leitos foram reocupados por outras patologias”, justifica. Esta diminuição de leitos para covid-19 ocorre no momento mais intenso de contágio e agravamento da doença.

O infectologista não flexibiliza sua opinião sobre a necessidade de medidas rigorosas para evitar um colapso cada vez pior do sistema de saúde, com aceleração desenfreada de mortes. Os governos são pressionados pelos mais diversos setores econômicos para não instaurar lockdown. Restaurantes dizem que implementam protocolos sanitários, mas têm que fechar, enquanto festas clandestinas se espalham pelas cidades.

“Restaurantes e bares nem deviam estar funcionando, pois dados internacionais mostram que estes foram os ambientes onde mais houve contágio. As pessoas não usam máscara para comer ou beber num lugar desses”, sentenciou. Ele também diz que as festas clandestinas são um problema sério para o poder público, que tem dificuldade para coibí-las. “Precisa prender as pessoas que participam disso”, defende ele.

Diante da dificuldade de impor lockdown, os governos apontam para toques de recolher à noite para evitar as festas e aglomerações de jovens. Isso ajuda? “Tudo que puder fazer para diminuir a circulação de pessoas ajuda, mas é insuficiente. Precisa arrochar mais que isso”, reafirmou.

Podia ser melhor? Podia ser pior? Sim para os dois. “Se houvesse decisão centralizada no governo federal, dando orientações de controle padronizadas dizendo tudo que se pode ser feito para impedir a circulação do vírus, tendo testes suficientes e ampla vacinação, a doença teria tido menos impacto”, supôs. “Mas podia ser pior se não fosse feito nada para garantir o distanciamento social, o uso de máscara. Estaríamos no caos total!” completou.

Devagar, quase parando

Boulos também analisou a lentidão da vacinação no Brasil. Se por um lado, a novidade da doença e da vacina trazem o desafio de garantir fabricação de 14 bilhões de doses, algo que ele considera improvável, por outro, o Brasil demorou muito para entrar na competição internacional pelos imunizantes.

“Vai demorar muito tempo para haver vacina suficiente para o mundo todo, mas o Brasil fez apenas duas parcerias com farmacêuticas, por meio da Coronavac do Butantan e da Oxford/Astrazenica da Fiocruz. Teria que comprar mais opções de vacinas, como a Sputinik V, a vacina da Pfizer, da Moderna, entre outras disponíveis”, criticou.

Para o médico, a parte social deveria ser considerada na prioridade para vacinação. Ele repercutiu estudo geoterritorial que mostra as periferias pobres das cidades mais vulneráveis ao contágio, portanto prioritárias para a imunização. “Há uma compreensão de que a vacina não impede totalmente o contágio, mas evita agravamento e risco de morte, por isso, a prioridade para profissionais de saúde e idosos. Por outro lado, a exposição dos trabalhadores, jovens e idosos da periferia é muito maior, provocando essa fragilidade social. Por isso, é menos indicada a vacinação em empresas privadas, que podem garantir o distanciamento social e quarentena de seus profissionais”, defendeu.

Boulos também comentou o estudo da Faculdade de Saúde Pública da USP, que analisou normativas do governo federal sobre a pandemia. Os pesquisadores demonstraram que havia uma estratégia deliberada do governo de promover a imunidade coletiva no Brasil, que foi frustrada pelo Poder Legislativo, pelo Poder Judiciário e pelos governos locais.

“A imunidade coletiva só faz sentido para um governo louco, que quer fazer morrer mais gente”, declarou. Ele comparou os 30 milhões de mortos durante a gripe espanhola, no início do século XX, quando não havia vacina, nem medidas sanitárias e a população era dez vezes menor. “Imagina deixar 212 milhões de pessoas se contaminarem! Um por cento de letalidade significaria mais de 2 milhões de mortos em poucos meses. Realmente, a pandemia acabaria mais cedo, mas a que custo?”, questionou. Ele ainda mencionou o exemplo chinês, com seus 1,4 bilhões de habitantes, não tomando as providências que tomou para evitar o contágio generalizado.


Cezar Xavier

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.