“PCdoB vive décadas transpondo travessias, mas seguro de seu rumo”


Neste artigo o veterano dirigente do PCdoB, Renato Rabelo, ex-presidente da legenda, apresenta uma síntese da saga do Partido que se encaminha para seu centenário. Sublinha que a história do Partido Comunista do Brasil está entrelaçada com as grandes lutas que construíram o país ao longo da República.

O histórico dirigente comunista, traz seu olhar, aos dias de hoje, de democracia em perigo, de regressão civilizacional – o país sob o jugo de uma extrema-direita de matriz fascista que tem comunismo com um dos seus alvos principais.

Denuncia um bloqueio de uma legislação partidária e eleitoral autoritária que afronta o pluralismo partidário grafado na Constituição federal e que ameaça excluir institucionalmente o PCdoB e outras legendas do parlamento.

Neste sentido, sublinha o movimento amplo que há na Câmara dos Deputados, com a participação ativa da Bancada comunista, para aprovar a federação partidária. “Todo o Partido está empenhado para suplantar as atuais restrições à democracia e garantir sua representação institucional, baseado no pressuposto da sua continuidade histórica, identidade e autonomia”, destaca.

Ao final, Renato adverte “que o Partido formou e promoveu lideranças renomadas, algumas, todavia tiveram permanência episódica na legenda, outros por sua dimensão, provocaram abalos em sua saída. Mas, não atingiram as raízes profundas do PCdoB. Nestes casos, o corpo partidário se levanta em contundente defesa do Partido.”

Renato, então, dá como exemplo, entre tantos, desse levante em defesa do Partido, a declaração de Manuela d’Ávila que em suas redes sociais proclamou “Não acredito em saída individual para problemas coletivos”. E que, “O Partido encontrará soluções para seus desafios”.

Também, enalteceu, Luciana Santos, presidenta legenda, que assim se pronunciou: “O PCdoB, prestes a completar seu centenário, seguirá sua jornada alicerçado em seu valioso coletivo de militantes e no seu elenco de respeitadas lideranças”.

Renato Rabelo, presidente da Fundação Maurício Grabois, fecha seu artigo, com a convicção de que “enquanto existir capitalismo, o PCdoB é objetiva e subjetivamente uma exigência da história”.

Leia a íntegra do artigo no link: https://pcdob.org.br/noticias/64241/

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.