Adalberto Monteiro: Quem “espanca” a frente ampla alia-se a Bolsonaro


O #3J Fora Bolsonaro foi mais um êxito das entidades e dos movimentos do povo, das centrais sindicais, dos partidos de esquerda e centro-esquerda. Além de massivas, as manifestações ganharam em amplitude, seguindo o diapasão do espectro amplo de partidos, entidades e parlamentares que assinou o pedido de superimpeachment. Como se sabe, para além da esquerda, movimentos e parlamentares de direita e centro-direita se engajaram na luta pelo afastamento imediato do presidente.

Diante do vigor crescente do despertar das ruas, Bolsonaro atacou as manifestações. O neofascismo tem ciência de que a frente ampla e o povo nas ruas lhe são potencialmente letais.

Há vários exemplos históricos que demonstram isso. A ofensiva que levou à derrocada da ditadura militar é um deles. A partir da Anistia, em 1979, foram se mesclando ações da frente ampla democrática e manifestações do povo em ondas crescentes.

Quem efetivamente quer e luta pelo impeachment já de Bolsonaro, ou pela sua derrota em 2022, sabe que é imperativo conquistar a maioria. E mais: é preciso criar as condições para que ela se imponha nas ruas, nas urnas e no parlamento.

No #3J Fora Bolsonaro, aconteceu um episódio execrável que colide com tudo o que foi dito até aqui.

O PCO praticou agressões contra lideranças que foram à manifestação da Avenida Paulista para apoiar o evento. A intolerância sectária do PCO agrediu manifestantes do PSDB e também do PDT e da União da Juventude Socialista (UJS) e ativistas de movimentos populares, como do CMP e do MSTC.

Lideranças do movimento estudantil, como Iago Montalvão, Rozana Barroso e Flávia Calé, presidentes da UNE, da UBES e ANPG, respectivamente, divulgaram um artigo em que condenaram, veementemente, as agressões do PCO. As Centrais Sindicais, praticamente todas, também repeliram a selvageria sectária.

Ao se enveredar por essa prática execrável completamente antagônica à convivência democrática com a qual as forças de esquerda lidam com suas divergências e diferenças, o PCO, para além de seu palavreado falsamente radical, presta um serviço à extrema-direita. Alia-se, objetivamente, a Bolsonaro que tem medo, igual o diabo tem da cruz, da ampliação e do fortalecimento das mobilizações de rua.

Não raro, na história, os extremos passeiam de mãos dadas.

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.