11 DE SETEMBRO DE 1973:O GOLPE MILITAR NO CHILE E O ASSASSINATO DA DEMOCRACIA E DE SALVADOR ALLENDE


Por Raul Carrion
Os grandes monopólios midiáticos, quando tratam do “dia 11 de setembro”, lembram somente do atentado terrorista contra as “Torres Gêmeas” nos EUA, onde morreram 2996 pessoas. Mas calam completamente sobre o golpe terrorista de Pinochet no Chile – golpe arquitetado e organizado pelos Estados Unidos – que ocorreu nesse mesmo dia e causou a prisão, tortura e morte de dezenas de milhares de chilenos e de chilenas. Nesta data, não podemos deixar de denunciar esse bárbaro crime cometido pelo governo dos Estados Unidos contra o povo chileno!
11.09.2021 – Raul Carrion*

Depois de ter disputado a Presidência do Chile por três vezes sem vencer (1952, 1958, 1964), Salvador Allende concorreu pela quarta vez por uma ampla frente de centro-esquerda – a Unidade Popular, formada pelo Partido Socialista, Partido Comunista, MAPU (dissidência da Democracia Cristã), API e Partido Radical e Social-Democrata – e venceu as disputadíssimas eleições de 4 de setembro de 1970, derrotando o direitista Jorge Alessandri e o democrata-cristão Radomiro Tomic.
Tendo obtido 36,6% dos votos, Allende foi o mais votado, mas não obteve a maioria absoluta dos votos, precisando submeter-se a aprovação do Congresso, em sessão a realizar-se no dia 24 de outubro.
A eleição de Salvador Allende foi considerada “inaceitável” pelos Estados Unidos, que – como comprovam documentos desclassificados dos EUA e o Informe da Comissão Church, do Senado estadunidense – haviam despejado milhões de dólares nas campanhas de seus adversários, já durante o processo eleitoral, inundndo o país de fake news (como se diz hoje) e financiando regiamente a imprensa conservadora, em especial o jornal “El Mercurio”, para que atacasse dia e noite o candidato socialista.
Logo após a vitória de Allende, Nixon convocou Henri Kissinger – seu assessor para Assuntos de Segurança Nacional – e Richard Helms, diretor da CIA, para comunicar-lhes que “um governo allendista era inaceitável para os Estados Unidos e instruiu a CIA a desempenhar um papel direto na organização de um golpe de Estado no Chile, para evitar que Allende assumisse a Presidência.” (Informe Church). De imediato, foram liberados dez milhões de dólares para isso.
A partir de então, foram colocadas na mesa todas as alternativas: desde a compra de votos de congressistas democrata-cristãos, para que – rompendo com uma longa tradição republicana – não ratificassem a vitória de Allende e elegessem o direitista Jorge Alessandri (o segundo mais votado), até a organização de um golpe de Estado. Só estava excluída a invasão direta por marines “ao estilo República Dominicana”.
Fracassada a tentativa de suborno aos congressistas, ganhou força a alternativa do golpe militar, envolvendo os generais Roberto Viaux e Camilo Valenzuela, além de altos escalões da Marinha, Força Aérea e Carabineiros, mas o golpe esbarrou na postura legalista do General René Schneider, comandante-em-chefe do Exército chileno.
A CIA decidiu, então, remover esse obstáculo e forneceu armas e dólares para o assassinato do General Schneider. Depois de duas tentativas frustradas, o general Schneider foi emboscado por cinco homens que o metralharam em seu carro oficial. O atentado ocorreu no dia 22 de outubro, antevéspera da reunião do Congresso Pleno que ratificaria ou não a vitória de Allende. Gravemente ferido, Schneider foi levado às pressas para um Hospital Militar, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu em 25 de outubro.
O atentado contra o general Schneider criou uma comoção nacional que paralisou os generais golpistas e favoreceu a confirmação pelo Parlamento da vitória de Salvador Allende, que recebeu 153 votos (78,46%), contra 35 votos para Alessandri e 7 abstenções. Finalmente, no dia 3 de novembro, Salvador Allende assumiu a Presidência do Chile.
Desde então as elites dominantes do Chile e dos Estados Unidos não lhe deram um só minuto de trégua, tudo fazendo para desestabilizar o seu governo, até derrubá-lo e assassiná-lo através do golpe fascista de Pinochet!
No início dos anos 70, mais de cinco mil brasileiros viviam exilados no Chile, convivendo com exilados de todo o continente, acolhidos solidariamente pelo povo chileno. Desenvolviam um trabalho de denúncia da ditadura militar e de solidariedade às lutas do povo brasileiro. Lá se encontravam vários militantes e dirigentes do Partido Comunista do Brasil – entre eles Diógenes Arruda, Dynéas Aguiar, Amarildo Vasconcelos, Teresa Costa Rego e Raul Carrion –, que sempre contaram com o apoio do Partido Comunista do Chile, do Partido Socialista e outras forças progressistas para esse trabalho de solidariedade.
O Chile vivia momentos de suma gravidade.
As forças de direita e os Estados Unidos começaram a preparação de um golpe militar contra Allende. Os documentos desclassificados comprovam que o maior temor dos EUA era que o Chile chegasse ao socialismo através de eleições democráticas, o que seria um “mau exemplo” para o resto do mundo…
No primeiro ano do governo Allende, o PIB cresceu 8,5%, o desemprego baixou 4% e os trabalhadores ampliaram a sua parcela na renda nacional de 51% para 63%. Esses avanços se refletiram nas eleições municipais de 1971, quando a Unidade Popular obteve 50,2% dos votos.
As eleições seguintes, para o parlamento, aconteceram em 4 março de 1973. Ainda que a Unidade Popular não tivesse obtido a maioria, teve uma nova vitória, conquistando 43% dos votos e acabando com as esperanças da direita de ter maioria suficiente para destituir constitucionalmente Allende.
Um Informe da CIA, de 06.03.1973, afirmou: “Estamos discutindo futuras opções à luz dos decepcionantes resultados eleitorais, que permitirão a Allende e à UP levar adiante o seu programa com maior força e entusiasmo.”
Os golpistas decidiram, então, acelerar a preparação do golpe através da desestabilização da economia chilena. Para isso, suspenderam todo e qualquer investimento, frearam a produção; causaram o desabastecimento de produtos de primeira necessidade, ocultaram produtos para vendê-los no “mercado negro” a preços exorbitantes, especularam contra a moeda chilena, bloquearam os empréstimos externos ao Chile, financiaram greves de caminhoneiros com dólares da CIA, desataram uma campanha midiática implacável contra o governo e aliciaram altos oficiais das Forças Armadas para o golpe.
Para enfrentar o desabastecimento, o governo criou “Juntas de Abastecimento e Preços” (JAPs) nas vilas e nos bairros, onde as famílias inscritas tinham direito a uma “cesta” de produtos básicos, a um preço tabelado. Essa iniciativa, de profundo sentido social, foi apresentada pela imprensa como “mais um passo em direção ao comunismo”.
Falando sobre essa “guerra econômica” contra o governo Allende, o ex-agente da CIA Philip Agee disse, anos depois: “a CIA, ao financiar os caminhoneiros, comerciantes e outras associações contra o regime de Allende, pôde criar a aparência de caos e desorganização, que sempre atrai os líderes militares de direita, já que estes sempre advogam por ordem e disciplina. O quadro faria com que eles interviessem para restaurar a ordem, a paz e a dignidade da nação.”
E o Informe Church revela que “a CIA gastou mais de um milhão e meio de dólares para apoiar El Mercúrio, o principal jornal do país e o mais importante canal de propaganda contra Allende.”
No contexto desta escalada golpista, aconteceu no dia 29 de junho de 1973 o “Tancazo” – uma tentativa de golpe a partir do Batalhão Blindado comandado pelo Coronel Souper, que só foi abortado devido à atitude firme do comandante-em-chefe do Exército – General Prats –, que percorreu os quartéis reunindo forças para deter os golpistas.
Em 26 de julho, foi assassinado com um tiro o comandante Arturo Araya, ajudante naval do Presidente. Depois do golpe, se soube que o seu assassinato foi obra do grupo terrorista de ultra-direita Pátria y Libertad.
Era preciso afastar o General Prats, o último obstáculo ao golpe. E isso foi conseguido através da sua renúncia, em 23 de agosto, depois de fortes pressões. Em seu lugar assumiu o General Pinochet. Estava aberto o caminho para o golpe, que ocorreu 19 dias depois, sob o comando do próprio Pinochet.
O 11 de setembro de 1973 amanheceu com o Palácio La Moneda sendo bombardeado pela aviação golpista e cercado por tanques e militares. Poucas horas depois, Salvador Allende estava morto, o golpe consumado e tiveram início as prisões, as torturas e os assassinatos.

* Raul Carrion é historiador e dirigente estadual do PCdoB. Já foi vereador e deputado pelo PCdoB. Preso e torturado pela ditadura militar, exilou-se no Chile. Ali se encontrava por ocasião do golpe de Pinochet. Após a redemocratização, foi o autor da lei que criou em Porto Alegre a Praça Salvador Allende. Atualmente, preside a Fundação Maurício Grabois, Seção do Rio Grande do Sul.

11.09.2021, Raul Carrion*

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.