Luciano Siqueira: Obra de engenharia política e técnica


Em paralelo à movimentação das peças no xadrez preparatório das eleições gerais de 2022, cabe avançar na formulação do que possa vir a ser uma plataforma de unidade de amplo arco de forças capaz de vencer o pleito presidencial.

Não é empreitada simples, tal a variedade de fatores que compõem a crise em que o país se vê mergulhado, principalmente de natureza estrutural.

E o que se pode pretender é muito, mas em horizonte limitado.

Como assim?

Limitado pela correlação de forças e pela tarefa prévia de reconstruir o que tem sido destruído, desde Temer e, sobretudo, por Bolsonaro.

A redução das desigualdades regionais, por exemplo, via maior dinamismo no desenvolvimento de políticas públicas que vinham dando bons resultados.

No ciclo dos dois governos Lula e do primeiro governo Dilma o Nordeste conheceu progressos significativos. Chegou a crescer a taxas mais elevadas do que o conjunto do país.

Se acelerou, inclusive, o dinamismo em muitos polos de desenvolvimento intrarregionais, em áreas interioranas dos estados. A região problema passava a ser solução.

A rigor, nem se tratava ainda de políticas estruturantes, que fossem a fundo no trato das raízes das desigualdades. Porém suficientes para um alívio considerável de mazelas historicamente persistentes.

A valorização do salário mínimo (e o consequente aumento real da renda do trabalho), o controle inflacionário e o acesso ao crédito deram bons resultados, associados a um conjunto de programas de cobertura real significativa, como Luz para Todos, Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida e outros.

A implantação da refinaria de petróleo no Complexo Portuário de Suape, em Pernambuco – decisão política do governo -, impulsionou a retomada da indústria, inclusive em setores tecnológicamente avançados, com irradiação para as regiões circunvizinhas. A tradicional e então alquebrada indústria têxtil, por exemplo, foi relançada via planta industrial moderna.

Concomitantemente, se investiu em educação, ciência e tecnologia e inovação. No período,se o Brasil dobrou o número de alunos de curso superior, o Nordeste quase triplicou.

Uma trajetória duramente afetada pela gestão econômica malfadada do segundo governo Dilma, logo interrompido pelo golpe que alçou Temer à presidência.

Campo livre para o avanço do rentismo em toda escala, que capturou as chamadas elites empresariais da região, agora mergulhadas na usura. Na dificuldade, valeu a tradição reacionária em vários setores, que no pleito presidencial passado aderiram à aventura bolsonarista.

E agora, José?

A questão central é política – e se desdobra no conteúdo técnico, digamos, das propostas.

A questão regional numa desejada plataforma de unidade ampla, parte de um futuro pacto político e social, implica engenharia política complexa, em que há que se contemplar prioritariamente as necessidades do mundo do trabalho, sem negar estímulos ao capital empreendedor.

Tudo sob o guarda-chuva de um projeto nacional.

Barra pesada, Mas, se fosse fácil, não seria tarefa nossa e das correntes progressistas.

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.