Renato Rabelo: Araguaia foi gesto de amor e coragem à nação e ao povo


Há 50 anos, no dia 12 de abril de 1972,  teve início, nas matas do Sul do Pará, uma das principais ações de resistência ao arbítrio, à violência e à opressão impostas pela ditadura: a Guerrilha do Araguaia. Ao falar sobre o feito dos comunistas, o presidente da Fundação Maurício Grabois e ex-presidente do partido, Renato Rabelo, destacou a coragem e o profundo amor pelo Brasil daqueles homens e mulheres que lutaram e foram assassinados pelo regime militar. 

“A resistência armada do Araguaia conduzida pelo PCdoB foi realizada num período dos mais duros da ditadura, sem nenhuma liberdade política para o povo e constante repressão sanguinária”, destacou Renato. 

Ele salientou que “coube ao PCdoB, naquele momento, na sua consequente luta de resistência ao regime brutal, dar uma resposta de amor e coragem à nação e ao povo brasileiro, abrindo caminho a uma maior  resistência que, acumulando forças, levou ao fim o regime de chumbo. 

Renato fez uma analogia com o pronunciamento de Karl Marx sobre a Comuna de Paris, “quando afirmou que o seu significado foi um ‘assalto aos céus‘, porquanto a classe operária dava suas primeiras respostas de ruptura contra o regime capitalista”.

Leia também: 

Guerrilha do Araguaia 50 anos: historiador resgata luta comunista

Por Priscila Lobregatte

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.