Díaz-Canel: “O bloqueio se mantém porque sem ele este país seria um modelo de sociedade humana subversiva demais para a ordem mundial”


Nesta terça-feira (26), na comemoração oficial, em Cienfuegos, pelos 69 anos do assalto aos quartéis de Moncada e Carlos Manuel de Céspedes, Miguel Mario Díaz-Canel Bermúdez, Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, fez um vigoroso discurso que apresentamos em português na íntegra.

“Cuba representa não apenas a alternativa à ordem injusta e excludente que prevalece no mundo.   Somos também a possibilidade que este mundo tem de provar que há espaço para todas as ideias e sistemas políticos; para que a democracia, proclamada e violada, seja reconhecida em toda a sua diversidade”.

Caro General de Exército Raúl Castro Ruz, líder da Revolução Cubana:

Moncadistas presentes;

Amigos do movimento de solidariedade com Cuba que estão conosco;

Caro povo combativo e revolucionário de Cienfuegos (Aplausos);

Compatriotas:

Já estamos em 26! Voltamos a Cienfuegos e voltamos a um evento presencial depois de dois anos sem celebrações deste tipo.

Essa possibilidade é fruto de uma façanha: o controle da pandemia, nas condições de uma guerra econômica de seis décadas, com esforços e recursos próprios.

E é também uma oportunidade: permite que as lideranças do Partido e do Governo reconheçam e destaquem os resultados de um território.

A beleza tradicional da Pérola do Sul, que se multiplicou nas obras em saudação ao 26 de julho, nos mostra o quanto aqueles associados a um dia histórico podem impactar nossos territórios e nossas eternas celebrações. Isso agrega outro valor fundamental.

No próximo ano será o 70º aniversário daqueles assaltos que mudaram a história de Cuba. Os protagonistas vivos saem dos livros para explicar aos estudantes as razões que os levaram a sacrificar suas jovens vidas no altar da Pátria, com tanta certeza quanto a fé em seus ideais.

Agora eles estão aqui e nos sentimos muito honrados em conhecer o testemunho de suas vidas revolucionárias, em que compartilharam batalhas e esforços com Fidel, Raúl, Ramiro, Almeida, Abel, Haydeé e Melba, não só nessa ação, mas nas sete décadas que se seguiram. As suas valiosas memórias fazem parte da nossa forma de compreender e amar a Revolução com a profunda convicção de que dela fazemos parte.

Mas essa experiência também representa um desafio para nós na formação das novas gerações, que por razões biológicas não terão mais a oportunidade de conhecer de perto os heróis de um capítulo fundamental da história nacional. Tão fundamental que não é possível explicar o socialismo cubano sem as razões que levaram Fidel e a Geração Centenária a invadir quartéis com simples fuzis e um arsenal de ideias.

A lógica imperial, de que falamos nestes dias, aposta na amnésia e na paralisia social.   Eles pretendem que, sob a pressão das necessidades materiais geradas por seu infame bloqueio de 63 anos, o espírito de resistência do povo ceda e até a última geração esqueça por que uma Revolução socialista dos humildes, com os humildes e para os humildes foi realizada a 90 milhas do sonho americano.

Aposta também na alienação, que a história é apenas um passado de sacrifícios do qual as novas gerações devem escapar se quiserem ter um lugar na “feira de vaidade”, na ilusão forjada pela indústria do entretenimento universal, segundo a qual uma classe média bonita e satisfeita usufrui das bondades da modernidade, território exclusivo dos vencedores que serão servidos pelos excluídos do sistema.

Nesse mundo do esquecimento, a “História me Absolverá” deixaria de interessar aos jovens, porque é de outro tempo e foi feita para curar outros males.

Na distante suposição de que isso aconteça, como dizem os irmãos venezuelanos, seria difícil para os cubanos do futuro saber que quando as empresas norte-americanas praticamente eram donas de Cuba, seus grandes aliados eram o exército, a polícia, o despejo, o facão, a tortura e morte.

Iriam ignorar que a grande maioria não era proprietária das terras em que trabalhava, nem das casas onde morava. Que, em geral, os pobres e negros e mestiços só podiam entrar pelas portas dos fundos dos negócios e das mansões. Que as mulheres estavam em total desvantagem social em relação aos homens. Que a imagem mais recorrente nas paisagens urbanas era a de crianças de rua: engraxates, vendedores de jornais, mensageiros de qualquer negócio, sem-teto, doentes e famintos. E o mais comum nas paisagens rurais era uma infância com barrigas inflamadas de parasitas.

Não bastariam todos os atos que ainda temos para celebrar, e garanto que celebraremos, para expor as razões pelas quais aqueles jovens, que hoje são os veneráveis ​​avós ou bisavós dos novos, abriram mão de suas sonhos e venderam o pouco que tinham para um combate incerto.

A mídia que se opõe a nós certamente dirá amanhã que o presidente cubano acusou o capitalismo com “retórica do passado”.

A verdade é exatamente o oposto. Estamos interessados ​​em evitar que o passado volte. O futuro não pode ser o passado! Porque a Cuba do dia seguinte, aquela que eles sonham em nos enviar com as canhoneiras ianques e acobertados pelos infames congressistas que ali votam a favor de todas as leis contra seu próprio país de origem, que Cuba, seria o retorno ao dia seguinte ao assalto ao Moncada: um banho de sangue, uma vingança de ódio e a reintegração de tudo o que os assaltantes tentaram mudar e que só a Revolução transformou para sempre.

Embora no meio de um apagão infeliz e longo misturado com o sufocante verão destes dias, alguns podem sentir que nada é pior do que a série de eventos negativos que temos sofrido e buscar alívio xingando, no fundo de suas almas todos entendem que, ineficiências à parte, o bloqueio está na raiz, no tronco, nos galhos e nos frutos de nossas dificuldades econômicas.

E, embora não o admita publicamente, até um anexionista sabe que os problemas cubanos não serão resolvidos por aqueles que os criaram e os mantêm com absoluto desrespeito à condenação mundial desse escandaloso abuso que já dura mais da metade um século.

Cuba não está sozinha! Nunca esteve! Cuba representa não apenas a alternativa à ordem injusta e excludente que prevalece no mundo.   Somos também a possibilidade que este mundo tem de provar que há espaço para todas as ideias e sistemas políticos; para que a democracia, proclamada e violada, seja reconhecida em toda a sua diversidade.

O socialismo não pode continuar sendo difamado em nome da liberdade, enquanto todas as portas para o comércio, finanças e negócios estão fechadas para os países que tentam fazê-lo.

O bloqueio econômico, financeiro e comercial, a perseguição furiosa que esta política de um poderoso império contra uma pequena nação se transformou é, neste momento, a melhor prova de que o socialismo funciona, porque mesmo sob o fogo de estar bloqueado construímos um trabalho de justiça social que nos coloca ao nível dos países mais avançados em indicadores chave de desenvolvimento humano como mortalidade infantil, esperança de vida, acesso à saúde, educação, cultura ou desporto e níveis de segurança e proteção cidadã.

Em meio à escassez profunda e sustentada de tantos anos, sob as pressões sufocantes de uma economia de guerra – porque essa é uma economia sob bloqueio – nunca desistimos da aspiração socialista de beneficiar a todos, oferecendo-lhes múltiplas possibilidades de realização humana.

Acreditamos acima de tudo na felicidade como resultado da realização pessoal e coletiva, a partir das reais possibilidades de cada indivíduo acessar o conhecimento e participar ativamente da sociedade em que vive.

Conseguimos algo neste esforço. Nota-se nos sinais que distinguem o emigrante cubano das dezenas de milhares de seus iguais do resto do mundo.   A maioria de nossos alunos tem estudos pelos quais seus parentes não tiveram que pagar, incluindo estudos especializados de alto nível que em outros países deixam o graduado endividado por toda a vida.

Em geral, distinguem-se pelo conhecimento e qualidade da sua formação profissional, bem como pelo tratamento diferenciado que recebem por motivos políticos. Embora praticamente ninguém mais fale sobre a Lei de Ajuste Cubano, esse tratamento diferenciado de nossos nacionais para que alimentem o discurso anti-socialista declarando uma perseguição inexistente, faz parte do objetivo central da guerra contra a Revolução Cubana: esmagar a alternativa, demonizar o socialismo, impedir que outros povos se inspirem nesta experiência.

Não há outra explicação para a manutenção do bloqueio contra Cuba, tão incompatível com os discursos de liberdade, democracia e direitos humanos que os políticos norte-americanos tanto gostam de ditar. Toda a retórica contra o socialismo cubano se choca e se nega diante dessa verdade inegável.

Nossa conclusão é que o bloqueio se mantém porque sem ele este país seria um modelo de sociedade humana subversiva demais para a ordem mundial. E aqueles que, estando “do outro lado da rua”, pensam o contrário, aqueles que impõem e apoiam o bloqueio contra toda lógica civilizada e humanista, que o levantem total e incondicionalmente agora!   Tirem pretexto! (Aplausos).

Se você tirar esse pretexto, o mundo o respeitará e julgará Cuba.

Compatriotas,

No tempo decorrido desde a última celebração de 26 de julho, aprovámos uma nova Constituição e regulamentos legais que colocam o país na linha da frente na garantia de direitos para todos, como acaba de se verificar nas últimas sessões da Assembleia Nacional, aprovando o monumental Código de Família. Convido você a apoiá-lo no referendo de setembro.

Os debates sobre esses temas sensíveis despertaram consciências e aprofundaram o conhecimento sobre a sociedade cubana diversa e plural, que não parou de sacudir lastros, preconceitos e freios desde o triunfo da Revolução.

Nesse mesmo período, a sociedade norte-americana retrocedeu quase um século em matéria de direitos das mulheres, ao negar a existência do direito constitucional ao aborto. Além disso, levantou a solidariedade global contra a epidemia de tiroteios e massacres em escolas e locais públicos.

Raramente foi tão claro o contraste que Martí fez ao descrever as duas metades do continente, as duas Américas que cresceram na direção oposta: aquela “que tem que ser salva com seus índios, e vai de menos a mais (e aquela) que afoga seus índios em sangue, e vai de mais a menos”.

Quando avaliamos as duras circunstâncias pelas quais passamos no último ano, desde os complexos dias de julho de 2021, é justo destacar a solidariedade internacional entre as forças com as quais nosso país contou para sustentar sua impressionante resistência.

Em julho do ano passado, à força de grande pressão, os Estados Unidos conseguiram uma declaração de um punhado de países, aparentemente preocupados com o que acontecia em Cuba, enquanto ignoravam ou fechavam os olhos para as duras condições a que foram submetidos  milhões de cubanos sob o impacto da COVID-19.

É ainda comovente recordar as tremendas manifestações de apoio de governos, parlamentares, organizações políticas, grupos de amizade, artistas, intelectuais, líderes e grupos religiosos, movimentos sindicais e sociais, bem como indivíduos de todo o mundo que simpatizam com as causas justas e opõem-se ao abuso. Entre eles, destacam-se as inúmeras manifestações de solidariedade e empatia de pessoas de origem cubana residentes em vários países, incluindo os Estados Unidos.

Diante das evidentes carências materiais sofridas nos momentos mais críticos da pandemia, Cuba recebeu apoio solidário de vários governos de países amigos, bem como de grupos e indivíduos.   Essa ajuda não se limitou a importantes recursos materiais para apoiar o esforço do Sistema Público de Saúde no enfrentamento da pandemia, mas incluiu alimentos e outros insumos sensíveis para o consumo da população.

Para citar apenas os carregamentos mais significativos e valiosos, chegaram para o benefício direto de nosso povo ajuda da Venezuela, Bolívia, México, Vietnã, Nicarágua, China, Rússia, Itália, Japão, São Vicente e Granadinas, República Dominicana, entre outros.

Cerca de 170 empresas e empresários de 29 países e 171 associações de amizade, solidariedade e cubanos residentes no exterior, de 43 países, nos ajudaram.

Dos Estados Unidos, tivemos inclusive, durante o último ano em particular, repetidas manifestações de amizade e compromisso de organizações como Pastors for Peace, Brigada Venceremos, Code Pink, Puentes de Amor, Answer CoalitionThe People’s ForumWyckoff Centro MédicoAlianza Martiana, só para citar alguns (aplausos).   Também o apoio da brigada porto-riquenha Juan Rius Rivera e da juventude do Partido para o Socialismo e Libertação dos Estados Unidos, aqui presentes (Aplausos).

Estas se juntam a muitas outras expressões de organizações na América Latina e Caribe, Europa, África, Ásia e Oriente Médio, com uma longa história e tradição de apoio à Revolução Cubana e oposição à agressão dos EUA.

Ao mesmo tempo, recebemos vigorosas manifestações políticas de apoio e solidariedade.

Em primeiro lugar, destaco as belas palavras sobre Cuba, pronunciadas pelo Presidente dos Estados Unidos Mexicanos, Andrés Manuel López Obrador, por ocasião da comemoração do 238º aniversário do nascimento do Libertador Simón Bolívar.

Essa sincera mensagem do querido povo do México ao povo cubano, em reconhecimento de nossa digna resistência contra o criminoso bloqueio dos Estados Unidos, foi reiterada mais de uma vez em “Las Mañaneras de AMLO (1)” com a chocante força da consistência e da verdade.

A publicação em página inteira do influente jornal The New York Times de uma poderosa demanda para que Cuba viva, e a posterior projeção dessa demanda em uma fachada da Union Square, na cidade de Nova York, constituiu uma poderosa expressão de solidariedade em um momento em que atravessávamos as fases mais difíceis da pandemia, os efeitos do ressurgimento da hostilidade imperialista e a feroz campanha de calúnia e descrédito contra Cuba.

Estas são apenas as expressões mais visíveis de uma solidariedade ativa e invariável, que não foi ofuscada ou destruída com as campanhas de boicote e mentiras contra a Revolução. Um exercício histórico de afeto entre as nações, que não aparece nas leis, mas está inscrito com tinta indelével no DNA do cubano.

A solidariedade e o internacionalismo orientam a política externa de Cuba desde o triunfo revolucionário de 1959. Ao longo dos anos soubemos compartilhar e abraçar as causas justas de outros povos, quase sempre com base no sacrifício compartilhado.

Desde muito cedo consideramos que temos uma dívida de gratidão para com a solidariedade internacional.   Portanto, quem considera possível isolar Cuba estará sempre errado. Desfrutamos de relacionamentos extensos e ativos com praticamente toda a comunidade internacional.

Todos os anos os Estados membros das Nações Unidas votam quase por unanimidade na rejeição do bloqueio econômico dos Estados Unidos, e nosso país tem reconhecimento, prestígio e autoridade por sua contribuição à cooperação internacional e sua participação ativa e construtiva nos fóruns internacionais.

Compatriotas,

Nas recém-concluídas sessões da Assembleia Nacional, foram anunciadas medidas que visam mobilizar, no menor tempo possível, os mantimentos e os recursos financeiros que atualmente estão escassos. Os detalhes de sua implementação serão relatados nas próximas semanas. Se queremos ter resultados positivos em menos tempo, é fundamental agir com responsabilidade, seriedade e disciplina.

Muitos amigos e admiradores do nosso processo continuamente nos perguntam o que é a Revolução hoje. Não no conceito que Fidel já nos deu, mas na forma como se verifica na prática.

Esta resposta corresponderá aos cientistas sociais, aos que estudam os processos revolucionários, que saberão melhor do que nós o que fazemos.   No entanto, alguns termos são muito claros para mim: democracia e participação popular, humanismo, desejo de transformação, criatividade, inovação, compromisso, ideais e paixão revolucionária (Aplausos).

Podemos acrescentar outras experiências que nos ajudam a desenvolver o rumo do país em contato direto com as pessoas. Sob pressão, as necessidades – que cresceram e se aprofundaram em toda Cuba com o flagelo do bloqueio reforçado, a pandemia e o impacto de todas as crises que o planeta está sofrendo – despertam em alguns o egoísmo e ambições e atitudes tão nocivas quanto a corrupção, que minam até os maiores esforços do Estado para amortecer as desigualdades e lidar com as vulnerabilidades.

Os anos de igualitarismo nocivo acabaram, mas a justiça social continua sendo nosso guia.   Ela sustenta o equilíbrio de uma sociedade como a nossa, não podemos deixá-la no discurso.

É fato que onde os governos locais negligenciam o controle essencial e subestimam a capacidade dos líderes naturais e das organizações de bairro, a delinquência enfraquece o trabalho social.

Nós sabemos. O povo denuncia. A corrupção é um câncer que corrói tudo, que irrita, que desmobiliza e que vai contra o ideal socialista. Não vamos deixar que ela nos invada, nós a combatemos e continuaremos a fazê-lo incansavelmente.

Companheiros e companheiras,

Considerando as dramáticas condições em que todo o planeta se move hoje, assediado pelas múltiplas crises geradas pelas mudanças climáticas, guerras, pandemias, corrupção, crime organizado e outros males, temos algumas vantagens para enfrentá-las: a experiência acumulada no grau de uma resistência criativa – como gosto de chamar –, objetivos e prioridades claros e unidade, a cara e preciosa unidade conquistada ao longo dos anos de luta, depois de muitos contratempos e como recompensa pelas sucessivas vitórias do ideal martiniano e fidelista da Revolução.

Ao iniciarmos nosso ato nesta manhã, ouvimos as palavras de Fidel em uma das primeiras celebrações do 26 de julho dos anos sessenta do século passado.

Gostaria de reiterá-las agora como expressão dos vínculos da história que explicam o enigma de uma Revolução vitoriosa:

“Se tivéssemos desistido depois de Moncada, ou se tivéssemos desistido depois do Granma, ou quando ficamos com muito poucos homens, sete homens com fuzis se encontraram novamente, se tivéssemos aceitado a ideia da derrota, teríamos sido derrotados. Não fomos derrotados simplesmente porque nunca adotamos a ideia de derrota. E essa deve ser sempre a nossa atitude, e essa deve ser a grande lição da nossa história (…) Pode-se dizer que o assalto a Moncada foi o primeiro assalto a uma das muitas fortalezas que teriam de ser tomadas mais tarde. Faltavam muitos Moncadas para tomar. Restava, entre outras coisas, o Moncada do analfabetismo, e o nosso povo não hesitou em atacar aquela fortaleza, atacou-a e tomou-a; o Moncada da ignorância; o Moncada da inexperiência; o Moncada do subdesenvolvimento; o Moncada da falta de técnicos, da falta de recursos em todas as ordens. E o nosso povo não hesitou em atacar também essas fortalezas…” Fim da citação, que é muito útil no momento.

Cabe à nossa geração invadir as fortalezas da ineficiência econômica, burocracia, insensibilidade, ódio. Sobre seus restos construiremos a prosperidade possível. Sem deixar de exigir: Abaixo o bloqueio! (Exclamações de: Abaixo!)

Vamos fazer um país melhor nós mesmos! (Exclamações de: Vamos!)

A história nos dá força, nos inspira, nos impulsiona e nos encoraja! Se eles puderam, nós podemos!

Glória eterna aos heróis e mártires de 26 de julho! (Gritos de: Glória!)

Até à vitória, sempre!

Socialismo ou morte!

Pátria ou Morte!

Venceremos!

(Exclamações de: Viva Raúl! Viva Fidel!) (Ovação).

1 – Conferência de imprensa matutina do presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador (AMLO).

 Fonte: Granma

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.