A ponte é Honestino!


O diretor de jornalismo da ABI, Moacyr Oliveira Filho, o conselheiro Armando Rollemberg, e o ex-diretor em Brasília e ex-membro do Conselho Deliberativo, Hélio Doyle, participaram nessa sexta-feira (23), do ato em homenagem a Honestino Guimarães, líder estudantil de Brasília, assassinado pela ditadura, organizado pela Geração 68 e pelo DCE da UnB.

No ato foi adesivada a placa de identificação da ponte, que voltou a ter o nome de Ponte Honestino Guimarães. E lido um poema de Marina Mara, em homenagem a Honestino:

Honestino
foi honesto com
seu destino

seguiu sonhos
sem desatino
sem desamores

e sua luta foi
desde menino
com bala de mel

e armada de flores
nos muros da cidade
e nos zines da unb

lutou por dias melhores
para mim e para você

e por essa ousadia
de lutar por igualdade

tentaram prender
seus sonhos
mas os sonhos passam
pelas grades

tentaram calar
seu grito
transformando
amor em delito

crime pelo qual
nem foi julgado

mas seu nome
será lembrado
na história
de seu país

para que cada
cidadão não
se esqueça

que tem o direito
e o dever de
ser feliz.

Honestino!
Presente!!!!

Por Betty Almeida, professora universitária aposentada, autora da biografia Paixão de Honestino, Editora UnB, Brasília, 2016

O projeto de alteração do nome da Ponte Costa e Silva, apresentado à Câmara Legislativa do DF em 2015, pelo deputado distrital Ricardo Vale, foi aprovado e sancionado pelo governador Rodrigo Rollemberg.

Em 2017, sentença do juiz Carlos Frederico Maroja Medeiros da Vara de Meio Ambiente Desenvolvimento Urbano e Fundiário do DF analisa aspectos técnicos considerados na ação judicial de alguns moradores do Lago Sul, em 2016, e lembra que a homenagem a quem patrocinou a tortura e a opressão não é de modo algum do interesse da sociedade. O juiz manda refazer todo processo de mudança e decide manter o nome de Honestino.

Porém, no dia 6 de novembro de 2018, o Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) considerou a Lei n° 5.523/2015 – que alterou o nome da ponte – inconstitucional. A decisão do TJDFT sobre a ação de uma deputada recém-eleita, como diz a própria, é histórica, sim, por representar um triste retrocesso na história do nosso país. O único da América do Sul que não puniu aqueles que, em vez de cumprir suas próprias leis, prenderam ilegalmente, torturaram e mataram cidadãos por defender suas ideias e exercer o direito, afirmado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, de se opor à tirania de uma ditadura.

Honestino Monteiro Guimarães é o estudante da Universidade de Brasília que se destacou por ter passado em primeiro lugar geral da UnB no vestibular de 1965, aos 17 anos. Tornou-se líder dos estudantes da UnB na resistência contra a ditadura que, de 1965 a 1968, invadiu quatro vezes a Universidade. Nomear a ponte é a homenagem justa de uma cidade em que Honestino é, para a juventude de hoje e os que viveram as lutas do passado, um símbolo de integridade e coragem na defesa de ideais de justiça e liberdade. É uma forma de honrar sua memória e demonstrar respeito à sua família.

As qualidades individuais de Honestino abriam para ele amplas perspectivas de realização social e profissional. Ele vinha de uma família amorosa e solidamente constituída, e apesar da perseguição que sofria, casou-se (no religioso e no civil) e teve uma filha. Mas abdicou de sua vida e anseios pessoais para dedicar-se à militância estudantil e à luta clandestina contra a opressão ditatorial e pela justiça social. Por isso foi perseguido e ameaçado de morte pelos órgãos de repressão política e enfim, no dia 10 de outubro de 1973, aos 26 anos, desapareceu. Sua família procurou-o incansavelmente por décadas, sua mãe Maria Rosa Leite Monteiro e seu irmão Norton Monteiro Guimarães faleceram sem obter respostas sobre seu paradeiro, ainda hoje desconhecido.

A Oscar Niemeyer, também alvo de perseguição da ditadura, que projetou a ponte, certamente agradaria mais o nome de Honestino do que o de Costa e Silva

O anexo à Lei 9140/95 lista os nomes de 136 pessoas mortas ou desaparecidas em razão de atividade política, entre elas Honestino. Seu desaparecimento já foi investigado pela Comissão de Direitos Humanos da OAB-DF em 1992, pela Comissão Nacional da Verdade e pelas Comissões Estaduais da Verdade do Rio e de São Paulo, sem resultados conclusivos. A estudante Aparecida Schoenacker, presa no Dops em São Paulo em janeiro de 1974, ouviu de um investigador que Honestino estava morto. Hoje correm rumores de que os despojos de Honestino, morto sob tortura em Brasília, estariam na cidade de Formosa, em Goiás.

Mas os que lutam por Memória, Verdade, Justiça e Reparação comemoraram, no dia 13 de dezembro de 2022, a derrubada, pela Câmara Legislativa do Distrito Federal, do veto do governador Ibaneis Rocha ao projeto de lei nº 1.697/2021, do deputado Leandro Grass (PV), que altera o nome da Ponte Costa Silva, no Lago Sul, para Ponte Honestino Guimarães. Lembremos que não dar a logradouros públicos os nomes de responsáveis por crimes contra a Humanidade foi uma das recomendações da Comissão Nacional da Verdade.

De agora em diante, quando cruzarmos a PONTE HONESTINO GUIMARÃES sentiremos orgulho por termos lutado por essa homenagem, além de uma imensa saudade do nosso companheiro querido. Nunca abandonaremos a luta por justiça para ele e para nossos companheiros mortos e desaparecidos pela ditadura militar.

Publicidade

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.