Luciano Siqueira: Desafios estruturais na luta presente


As transformações estruturais no Brasil historicamente sempre se deram de modo lento e gradual. Nosso país não é e nunca foi dado a rupturas em seu processo civilizatório.

 

Divulgação

Vide as reformas urbanas e agrária, que se arrastam há décadas, acumulando pequenas conquistas, ainda longe de uma mudança de qualidade.

No recém-interrompido ciclo transformador dos governos Lula-Dilma – sem desconhecer as importantes conquistas sociais, a afirmação da soberania do país na cena internacional e o esforço real de democratização das relações entre governo e sociedade civil -, cabe anotar dentre as muitas insuficiências a não realização de reformas estruturais de sentido progressista.

É verdade que as maiorias parlamentares circunstanciais obtidas por Lula e por Dilma nunca alcançaram a qualidade necessária para que se avançasse de modo consistente nessa matéria. Mas se poderia ter tentado, numa combinação entre os esforços junto ao Senado e à Câmara e a mobilização popular — que em alguns momentos poderia ter ganhado enorme amplitude, na esteira da ascensão social de cerca de 40 milhões de brasileiros e do enorme prestígio do presidente da República.

Provavelmente se teria conquistado não mais do que alguns avanços parciais no que se refere às reformas tributária, agrária, urbana, educacional, política e do sistema de comunicações.

Nesse mesmo sentido, também nas esferas do Judiciário, da segurança cidadã e do Sistema Único de Saúde.

Porém a corrente política hegemônica carecia de um projeto estratégico para além do governo imediato da nação. E aos que se batiam por um novo projeto nacional de desenvolvimento, faltava força suficiente no âmbito da coalizão governista e do conjunto da sociedade.

Assim, quando se assiste agora o rápido desmonte das conquistas parciais alcançadas, volta à tona a imperiosa necessidade de se combinar a resistência imediata com a formulação de uma plataforma de lutas apta a unir um amplo arco de forças políticas e sociais interessadas na retomada do ciclo transformador, em patamar superior.

A maré não está para peixe, é verdade. As forças golpistas é que têm a iniciativa no presente momento. Entretanto, a própria agenda do atual governo — pela sua natureza drasticamente antipopular — semeia na sociedade a insatisfação e o desejo superação da crise com uma agenda progressista.
Ou seja, o caldo de cultura para o bom combate no pleito vindouro.

Luciano Siqueira é médico e vice-prefeito de Recife (PE)

Anúncios

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s