Flávio Dino: Ciro está no jogo, mas Haddad é favorito


À frente de uma ampla coligação contra a família Sarney no Maranhão, ele chama de “disputa saudável” a divisão entre PDT e PT
Marcello Casal Jr/ABr
Flávio Dino_governador_6.JPG

O governador diz que a Lei da Ficha Limpa não foi cumprida no caso de Lula

“Síndico” de um amplo condomínio político, o governador Flávio Dino, candidato à reeleição no Maranhão pelo PCdoB, convive naturalmente com as diferenças. Quatro anos após interromper os quase 50 anos de domínio da família Sarney no estado, ele reedita nas eleições deste ano uma coligação com legendas de todo espectro, do DEM, atrelado a Geraldo Alckmin, ao PDT de Ciro Gomes e ao PT de Lula e Fernando Haddad.

Coisas da dinâmica local, explica o governador, para tentar evitar a maior cartada de José Sarney para recuperar sua influência: a candidatura de sua filha Roseana, ex-governadora do estado. 

O convívio com as diferenças leva Dino a chamar de “disputa saudável” a divisão do campo progressista em duas candidaturas presidenciais. Compara o atual pleito ao de 1989, quando Leonel Brizola, do mesmo PDT de Ciro, disputou palmo a palmo o segundo turno com o PT. Na ocasião, Lula, hoje barrado, enfrentou Fernando Collor na derradeira etapa da eleição.  

Defensor de uma unidade em torno do pedetista antes do início da campanha, o governador agora integra o partido da vice de Haddad, Manuela D’Ávila. Na entrevista a seguir, ele lamenta a falta de união, exalta a competitividade de Ciro e a simpatia dos nordestinos pelo candidato, mas considera o candidato petista como favorito para chegar a 28 de outubro.  

CartaCapitalAssim como nas últimas eleições, o senhor formou uma ampla coligação local, que inclui partidos tão distintos como DEM e PT. É possível dizer que há, no Maranhão, a continuidade de uma “frente ampla” contra a família Sarney?

Flávio Dino: A política local tem muita força no Brasil, não só no Maranhão. É uma característica da nossa federação desde os primórdios e desde o alvorecer da República. Essa dinâmica local acaba ganhando hegemonia na definição de alianças. A dinâmica local em torno da longevidade do poder de José Sarney é fator que distingue a demarcação de campos.

Isso fez com que procurássemos agregar todas as forças capazes de confirmar esse caminho novo que o estado está trilhando, sobretudo porque o Sarney resolveu colocar sua arma mais poderosa na mesa, que é a sua própria filha. Fez um gesto ousado de tentar retomar o governo. Temos de juntar todas as forças que querem a continuidade dessa experiência que nós inauguramos em 2015.  

CC: Como é ter do seu lado partidos que apoiaram o impeachment, a exemplo do DEM e do PP?

FDNão há problema com isto, porque cada um mantém a sua identidade, a sua visão sobre a política nacional, e isso vale para mim também. Minha posição é muito clara, então há uma visão muito nítida por parte do eleitorado daquilo que eu represento, da minha posição na política nacional. A amplitude da aliança não compromete a sua identidade. 

CCFernando Haddad foi oficializado como candidato à Presidência pelo PT, e Manuela D’Ávila, do seu partido, é vice em sua chapa. No início da campanha, o senhor chegou a defender a unidade dos partidos de esquerda em torno da candidatura de Ciro Gomes. Como o senhor vê a disputa entre Ciro e Haddad?

FDDefendi, de fato, essa unidade. O PCdoB defendeu até as últimas semanas. Achávamos que era melhor para poder viabilizar uma vitória em primeiro turno ante o fiasco do governo de Michel Temer. Mas não foi possível, infelizmente, então vamos ter de adiar um pouco essa vitória, com o provável curso da eleição para o segundo turno.

Acho que esse movimento do ex-presidente Lula em torno de Haddad e a decisão do PCdoB de apoiá-lo coloca, obviamente, uma nota de favoritismo ao PT. Mas haverá uma disputa saudável por uma vaga no segundo turno entre Haddad e Ciro, acho que esta eleição caminha para isso. Temos um candidato da direita que provavelmente vai ser o Bolsonaro e um da esquerda, cujo favorito, a meu ver, é o Haddad. 

CCCiro tem 13% no Datafolha, 11% no Ibope. Mesmo com este resultado, Haddad é o favorito?

FDO Ciro está no jogo. Há uma possibilidade de virar votos do Alckmin e da Marina para o Ciro. Podemos ter um cenário parecido com o de 1989, em que Leonel Brizola, do PDT, disputou palmo a palmo a segunda vaga no segundo turno com o PT. Podemos ter a repetição desse cenário, sem dúvida.

37054407695_8fb36d8f0a_o.jpg
No Maranhão, a maioria do eleitorado é lulista e deve votar em Haddad, prevê (Foto: Ricardo Stuckert)

CCCiro chamou de fraude a estratégia do PT de insistir na candidatura de Lula. Como o senhor viu a tática de esticar a oficialização de Haddad no limite do prazo?

FDÉ uma atitude de solidariedade pessoal ao Lula. Defendi e defendo o seu direito de ser candidato, porque ele está sendo vítima de uma brutal violência contra seus direitos políticos. Nesse sentido, houve uma vitória de Pirro contra Lula. O segundo candidato do campo progressista está em condições ótimas de disputar. A defesa da candidatura do ex-presidente é um imperativo.

Ninguém pode ser, em um regime democrático, vítima de tamanha arbitrariedade. Escrevi o artigo da Lei da Ficha Limpa, ao lado do então deputado José Eduardo Cardozo, sobre possibilidade de uma liminar no caso de plausibilidade da pretensão recursal, ou seja, o recurso em que o candidato tem o direito de disputar para evitar um dano irreparável. 

O que dá essa plausibilidade? Vários fatores. Desde a fragilidade gritante da sentença de Sergio Moro até a recente decisão do comitê de Direitos Humanos da ONU, com base nos tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário. Ora, como a decisão de uma instância supranacional à qual o País aderiu não confere a plausibilidade do recurso? É uma questão de interpretação jurídica singela. Não precisa ser muito sofisticado para considerar que a Lei da Ficha Limpa não está sendo cumprida.  

CCComo o senhor avaliou o julgamento do TSE que barrou Lula?

FDFormou-se quase que monoliticamente no Judiciário uma má vontade com o caso. Fosse o caso julgado cem vezes, em cem vezes o resultado seria diferente. Eu te falo isso depois de quase 30 anos de exercício profissional. Criou-se um discurso, quase que uma animosidade contra Lula por uma série de razões. Basta olhar como o Tribunal Regional Federal da 4ª Região tratou as coisas no julgamento do recurso, nas declarações do presidente Thompson Flores, naquele terrível episódio do descumprimento da liminar pela libertação… A animosidade é evidente. E esse é um ponto de reflexão que deve ser feito pelo Brasil e pela sociedade, mas também pela comunidade dos juristas. Isso vai demandar muitas análises nas próximas décadas, esse conjunto raro de absurdos que foram cometidos neste período. 

CCAcha que Haddad conseguirá absorver os votos de Lula, especialmente no Nordeste? 

FDÉ claro que o Ciro tem uma natural simpatia aqui, porque foi prefeito, governador, teve um bom desempenho, por exemplo, na educação. É claro que ele tem uma parte significativa do eleitorado. Mas eu creio que a transferência vai se operar muito rapidamente. Aqui no Maranhão o Haddad, quando indicado como candidato de Lula, já chega próximo de 50%, segundo as nossas pesquisas registradas. Então acho que, com base na realidade que eu conheço, a transferência vai se dar muito rapidamente. 

CCApós sofrer um ataque com faca, Jair Bolsonaro chegou a crescer, segundo o Ibope, mas manteve-se estável, de acordo com o Datafolha. Acha que ele poderá capitalizar eleitoralmente o episódio?

FDNum país como o Brasil, posições muito extremistas não costumam galvanizar o pensamento médio da sociedade. Bolsonaro representa posições muito extremadas e temas que são muito emblemáticos, é muito difícil ele conseguir parte do que se convencionou chamar de Centro, uma parte mais expressiva do pensamento médio na sociedade. A elevada rejeição dele é fruto exatamente do extremismo, ele está num patamar que é o piso e o teto dele ao mesmo tempo. Eu acho que a força da rejeição bloqueia o crescimento, mesmo diante de um fato obviamente de enorme impacto.

CCPara a esquerda, é melhor concorrer contra Geraldo Alckmin ou Bolsonaro no segundo turno?

FDÉ muito difícil medir, porque são problemas muito diferentes. O Bolsonaro tem para o campo da esquerda a vantagem da rejeição. Por outro lado, ele conseguiu neste momento construir algo original no Brasil, que é o populismo de direita. Jânio Quadros talvez tenha conseguido, mas ele não era tão marcadamente de direita quanto o Bolsonaro.  

CCNo início da campanha, o senhor foi considerado inelegível em primeira instância. Em 2006, Jackson Lago foi eleito, mas acabou acusado de abuso de poder econômico e terminou cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral em 2009, quando Roseana, sua atual adversária, acabou empossada por ter sido a segunda colocada. O senhor acha que o filme pode se repetir?

FD: É certo que eles tentarão, porque o DNA golpista está no sarneísmo desde 1964. Eles têm o longo know-how de golpe. Por outro lado, faço um governo sério, sem nenhum tipo de acusação séria, ficha limpa, nota 10 de transparência. Temos uma posição de defesa muito sólida, diante desse processo arranjado na cidade de Coroatá. A acusação contra mim é que eu mandei asfaltar ruas. Tenho convicção de que eles não conseguirão. Não estamos sendo acusados de corrupção, de ter comprado votos, nada desse tipo. É porque, supostamente, eu montei um programa de asfaltamento que existe desde janeiro de 2015, com objetivo eleitoreiro. Não tem nenhuma bala empírica que fere a lei para sustentar algum tipo de processo dessa natureza. 

CCO Maranhão tem valorizado a educação, com o salário-base mais alto do País para os professores, aumento no Ideb entre as escolas da rede estadual, além da construção e reforma de unidades. O que levou a essa evolução? 

FD: É o resultado da prioridade que demos à educação. Não apenas na retórica, mas um traço distintivo entre uma visão oligárquica e uma visão moderna, transformadora. Ou seja, investir em autonomia, investir em liberdade, conhecimento, sobretudo na juventude. 

CCSeu governo tem apostado em investimento público para construir escolas e estradas, numa época em que temos visto muita dificuldade dos governadores com o caixa estadual.

FDFizemos ajustes em 2015, um corte de despesas no que era possível. Tivemos êxito, conseguimos criar uma cesta de investimentos, com recursos do Tesouro Estadual, e de operações de crédito com a Caixa, o Banco do Brasil e o BNDES. São as fontes que nos permitiram manter a máquina pública funcionando e ter controles fiscais razoáveis. Não diria que são ótimas, não são, mas são razoáveis. Por outro lado, mantivemos o nível de rendimento alto, visando sobretudo praticar uma política contracíclica no que se refere à recessão, para poder exatamente manter a economia funcionando e evitar o caos social desta política desastrosa praticada em nível nacional.

Anúncios

2 comentários Adicione o seu

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s