Walter Sorrentino: 2021 quente


São intensas as mudanças no plano internacional. Não é este o espaço em que se podem analisar com profundidade os fenômenos, apenas resenhá-los.

Por Walter Sorrentino*

Levam em conta a pandemia, a crise econômica, a crise da globalização sob domínio dos EUA, o agravamento da desigualdade e profundas incertezas para as massas trabalhadoras quanto ao futuro. Divisões se evidenciam nas classes hegemônicas quanto às formas de seguir mantendo seu domínio em tal situação, apelando a formas iliberais/autoritárias de governo. Na geopolítica segue um movimento de ofensiva reacionária e a resistência de povos e nações. Caminha-se para novo equilíbrio de forças. Desenvolvem-se novas estratégias, meios e tecnologia de guerras multidimensionais, com armas híbridas e de renovada penetração ou letalidade, tendo por centro, para os EUA, o cerco à China e contenção militar da Rússia.

Esse é o espírito do tempo – o mal estar em meio a uma “pan” crise da ordem mundial. De certo modo, fora assim a década de 1920, auge da anterior globalização, terminada com a grande crise de 1929 e duas sangrentas guerras mundiais. Mas a história não se repete, embora as catástrofes possam ocorrer. Hoje, é resultado do neoliberalismo cuja agenda econômica é senil, correlacionado à crise da globalização e do liberalismo político, em meio a grandes transformações nas forças produtivas, potencialmente emancipadoras do trabalho assalariado. Isso leva à crise das identidades de classe e de suas representações políticas. A pandemia acelerou e aprofundou todas essas tendências.

Caso mais recente e marcante é o dos acontecimentos nos EUA quando seria a proclamação oficial da vitória de Biden. Foi um verdadeiro ataque à democracia e às instituições do país. Isso indica que o ovo da serpente foi chocado. Trump busca manter a regra básica, a de moldar a maneira como os conflitos são entendidos pelas pessoas. Ou seja, controlar a narrativa, que é como se expressa hoje a luta ideológica cruenta. Por isso o apelo aos supremacistas brancos para as manifestações: as eleições teriam sido fraudadas. Dividiu-se até mesmo o establishment norte-americano que em parte, de uma forma ou outra, sustentou a presidência de Trump.

O mais importante é que desvela afinal uma nova realidade no país. A famigerada democracia liberal dos EUA sofre um assédio do qual pode se recuperar, mas nunca como antes: a narrativa da “superioridade” intrínseca da democracia americana foi atingida perante o mundo todo. O ataque perpetrado ao Congresso ocorre no mesmo dia em que se fez recorde o número de mortos pela COVID-19 – quase 3.900! O país está dividido e polarizado, com boa parte do povo armada. Foi enfraquecida a defesa da democracia com a narrativa antissistema, pondo um sinal de igualdade entre ela e o sistema político, que seria o responsável pelo mal estar do mundo e falta de progresso social.

Isso indica que mobilizar o povo em defesa da democracia é mais difícil sem invocar ao mesmo tempo o sentimento de indignação com as injustiças sociais crescentes. Por isso mesmo, nos episódios ocorridos no Capitólio é preciso ver novas forças em movimento organizado, como foram principalmente a dos negros norte-americanos, garantindo a vitória dos democratas (desde as primárias dos Democratas, até mesmo a vitória no Senado pela Geórgia, além, evidentemente, da vitória de Biden). Anteriormente e mesmo agora, o movimentos femininos e da juventude ocuparam protagonismos centrais. É coisa alvissareira, que muda o panorama das lutas sociais naquele país.

Sob nova presidência, os EUA tentarão o retorno ao multilateralismo, mas sem garantias de liderá-lo e sem a mesma correlação de forças. Trump desmontou muito dessa arquitetura – rompendo o Acordo de Paris e do Pacífico, o NAFTA, sua presença na ONU e OMS, entre outros exemplos. Expressivo disso é que cristais se romperam entre EUA e UE, e esta busca maior autonomia por seus interesses próprios. Entretanto, a UE tem que pagar o passivo do Brexit. Mas a Alemanha abre espaço para seus interesses.

O declínio relativo do papel dos EUA no mundo e sua crise interna foram bem aproveitados por quem sabe como defender seus interesses nacionais. A China – bem como diversos países – soube tirar consequências e ocupar espaço, além de manter o dinamismo econômico do eixo asiático. São fatos marcantes de uma época de transição no esquema de forças internacionais a aliança China-Rússia, o aprofundamento da ASEAN, a Iniciativa do Cinturão e da Rota com profundas implicações em toda a Eurásia, África e América Latina. Sem falar na retomada do crescimento da China e evidente supremacia no enfrentamento da COVID-19. O Irã se reposiciona no enfrentamento ao bloqueio dos EUA, a Venezuela fez suas eleições democráticas, a guerra da Síria foi vencida e a armação na Bielo-Rússia não prosperou.

Na América Latina verifica-se uma situação claro-escuro, com fluxos e refluxos das forças populares em disputa por desenvolvimento soberano e justiça social, numa situação ainda de defensiva. A Direita governa o Uruguai, Paraguai, Colômbia e Brasil, este isolado internacionalmente, mas ainda detendo papel decisivo no panorama do Continente. Forças nacionais e populares governam o México e a Argentina, recuperaram o governo na Bolívia, o Chile vem de grande progresso ao vencer o plebiscito por nova Constituinte, lutas progressivas no Equador e instabilidade no Peru. Cuba e Venezuela se seguram e têm avanços políticos, em busca de superar os impasses econômicos próprios de uma situação de bloqueio duradouro, assim como a Nicarágua.

Quanto ao Brasil, é um verdadeiro pária internacional nesta hora. Um país à deriva, com um governo trôpego, sem rumo, um desarranjo de tal monta que custará muito recuperar. À imagem e semelhança de Trump, Bolsonaro desmonta o que gerações de brasileiros constituíram em termos de nação e democracia, sabota o combate à COVID-19 e leva a economia à maior bancarrota de sua história. Fez-se desrespeitado aos olhos de todo o mundo.

Como se vê, 2021 começou com grande impacto. Ainda mais pela conquista das vacinas contra a COVID-19, em meio ao desafio logístico gigantesco de vacinar a população do mundo sem sujeitá-la aos imperativos de mercado. Está aí uma das lutas mais significativas e imediatas da atualidade.

  • Vice-Presidente Nacional e Secretário de Relações Internacionais do Partido Comunista do Brasil (PCdoB)

2 comentários

  1. Solicito a exclusão do mailling list imediatamente. Não aguento tanta sabedoria marxista. Sou insipiente nestas áreas. Só tenho um pobre mestrado em ciência política. Meu QI é pouco superior a 130. Não estou habilitado para este nível de debate. Sorry

    Curtir

Deixe uma resposta para Iso Sendacz Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.