Haroldo Lima: “Poderá voltar, fortalecida”


608708-970x600-1

 

A diferença de votos no Senado, entre os que eram a favor e os que eram contra a admissibilidade do impeachment da presidenta Dilma, foi grande – 55 a 22. Entretanto, golpistas ficaram intranqüilos e cresceu o ânimo dos que lutam contra o impeachment sem crime.  As razões são as seguintes.

 

1)  O julgamento desse impeachment começará agora, após a admissibilidade aprovada na madrugada de 12 de maio. Poderá se estender por seis meses no próprio Senado, sob a direção do presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski. Buscará provas das acusações feitas à Dilma. Documentos serão examinados, oitivas serão feitas, de autoridades, técnicos e testemunhas. Pelo que se viu até agora, essas provas não aparecerão, pois “crimes de responsabilidade” não ocorreram. Ficará mais desmascarado ainda o contorcionismo do Relatório Anastasia que, ao invés de procurar o “criminoso” a partir de “crimes” descobertos, saiu atrás de “crimes”, a partir do “criminoso” escolhido para ser condenado.

2)Durante os prováveis seis meses do julgamento, Temer procurará governar, com seu governo de 23 ministros, sem uma mulher e sem um negro. Com essa lástima de governo que, nem de longe tem a cara do Brasil, enfrentará muitas dificuldades.  Não só pela estranha fisionomia machista e branca que exibe, como porque nosso povo não tem o costume de se submeter a governo ilegítimo, ainda mais com traidores e corruptos. Os problemas do país, frutos da situação internacional, das sabotagens recentes da oposição e das debilidades e erros do próprio governo Dilma, não são passíveis de serem resolvidos por um governo improvisado, desconectado da realidade, sem voto e sem prestígio. O governo Temer procurará por em prática algumas das idéias do seu programa “Uma ponte para o futuro”, já conhecido como “um túnel para o passado”, pela sua linha condutora neo-liberal. Isto despertará a rejeição da população, que verá ameaçados direitos e garantias, apesar das juras em contrário. O novo governo poderá tentar acabar com a partilha no pré-sal e privatizar setores importantes da economia, o que atingirá em cheio o sentimento nacional. A idéia da eleição direta para resolver a crise, após o fim do golpe do impeachment, ganhará as ruas e poderá requerer a convocação de um plebiscito.

 

3) A nova oposição, que seremos nós, mostrará à população a fisionomia de um setor patriótico, democrático, combativo, responsável, defensor da nacionalidade e dos interesses populares.  Procurará identificar as debilidades e os erros que cometemos e, com sinceridade, mostrará a disposição de corrigi-los quando outra oportunidade tivermos. Não aceitará a politização de setores judiciários e policiais, como os da Operação Lava Jato, que combatem uns corruptos para proteger outros, porque não transigiremos com a corrupção, venha de onde vier.

4)Há outro fator positivo que pode evoluir. É que a presidenta Dilma, nesse processo de impeachment, foi de uma dignidade a toda a prova. Demonstrou firmeza e coragem. Ao deixar o Planalto, dirigiu-se à Nação, de cabeça erguida, serena, reafirmando princípios, proclamando inocência e postura de resistência. Quando à frente do governo, trouxe para a política uma quantidade de mulheres em número nunca visto no país, o que contrasta agudamente com o banimento completo das mulheres do governo Temer. A pobreza, as mulheres e a juventude entenderão, gradativamente, o que se passa no país, contra quem o golpe parlamentar se volta. A popularidade da Dilma poderá crescer.

5) Nova votação no Senado coroará esse impeachment. Em causa estará o afastamento definitivo de Dilma Rousseff da presidência do país ou o arquivamento do impeachment. Para que o afastamento ocorra, serão necessários 54 votos, 2/3 dos 81 senadores. Na votação da admissibilidade, os que defendem o impeachment tiveram 55 votos. Não precisavam de tantos, 41 seriam suficientes. Mas, para votar o impedimento definitivo da presidenta, precisarão de 54 votos. Ocorre, que tiveram apenas um a mais do que esse mínimo. O clima polarizado da votação levou a três tipos de discursos: 1) daqueles que votaram firmemente contra o impeachment; 2)dos que firmemente votaram a favor do impeachment;  e 3) dos que votaram para que se abrisse o processo de julgamento do impeachment, mas que disseram não saber ainda como se posicionarão ao final.

6) No primeiro grupo, o dos 22 senadores que votaram contra a admissibilidade do impeachment, nenhum disse estar em dúvida. Todos votarão, no final, contra o impeachment. Uma parcela majoritária do segundo grupo, dos que votaram pela admissibilidade do impeachment,  tampouco tem dúvidas. Votará para cassar o mandato da presidenta. Mas, o terceiro grupo, minoritário dentro do segundo, votou  pela continuidade do impeachment dizendo que o fazia apenas para que o julgamento começasse, mas que não tinha convicção sobre como votaria no final.  Deste grupo, alguns podem votar contra o impeachment. E aí é que vem a conclusão desse raciocínio: se apenas dois desses que “estão em dúvida” mudarem seu voto, ou se abstiverem de votar,  o impeachment será derrotado. Como a situação poderá evoluir favoravelmente aos que são “contra o golpe”,  é grande a probabilidade de, pelo menos dois dos que “estão em dúvida”, votarem pelo retorno da presidenta.

Entende-se, assim, a fala do senador Marcelo Crivella, um que votou pela admissibilidade do impeachment dizendo estar “em dúvida” sobre a votação final. Disse o senador pela TV Senado, logo após a admissibilidade do impeachment: “A presidente poderá voltar, inclusive fortalecida”.

 

Haroldo Lima – é engenheiro, foi deputado federal pela Bahia, e é membro do Comitê Central do Partido Comunista do Brasil

 

Anúncios

9 comentários

  1. É bem detalhado, tem bom fundamento logico, mas, neste senário de tantas duvidas, cresce-se assim mais uma possibilidade, como a maioria dos senadores tem pouca ou nenhuma consciência honesta, surge-se ai a inegável situação de desespero por parte do governo atual, caso a situação fique mesmo ruim para eles, com a rejeição crescente, para se manter no poder, e tendo uma clara impressão por parte de alguns senadores que veja sua situação politica em decadência, e tendo quase certeza de que não será votado o suficiente para retorna em um cargo para os próximos mandatos, em ato de desespero alguns para se manter no cargo por mais algum tempo, estes podem tentar corromper os indecisos, e como a maioria dos atuantes no atual governo são mesmo desonesto, não duvido de que eles possam converter estes indecisos, que possivelmente possam vir a mudar de ideia quanto ao voto definitivo, e como são poucos os indecisos, a conta não deve ser tão alta pro governo fazer esta tentativa, agora caso, o indeciso não fale, não comente, não se exponha a uma mudança de opção final, ai ficara mais fácil ate mesmo de continuarem com a ideia de votar contra o impedimento, por outro lado se este for mesmo honesto, então nada mudara, mesmo com tantas investidas para que este possível indeciso venha a votar mesmo contra, este possa continuar a votar como votou antes.

    Curtir

  2. Deus queira que isso aconteça! Acredito que Pió que pareça o mau, sempre costuma ter algo bom no final. Vamos lutar para que isso aconteça.

    Curtir

  3. Vai rachar uma lenha Haroldo!! Nem PT ou pcdB souberam governar o Brasil sem dilspidar nosso patrimônio. É só deixarem de atrapalhar que o Brasil volta pros eixos.

    Curtir

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s