Alencar Furtado: quando o “talvez” foi uma denúncia


Cearense, que fez carreira política no Paraná, Alencar Furtado merece o reconhecimento do papel combativo que teve por toda sua vida, lutando contra o arbítrio e pela liberdade.

Por Haroldo Lima

As lutas libertárias são integradas e robustecidas por gestos intrépidos e fatos marcantes. Delas fazem parte uma música que arrebatou corações, um grupo que se declarou inconciliável com a tirania, uma frente de luta que descortinou um horizonte novo, ou um discurso metafórico que desnudou tragédias e estremeceu a Nação.   

Na época da ditadura, setores resistentes ao regime de força vibravam com esses gestos de alcance histórico. Os que viviam e lutavam na clandestinidade entusiasmavam-se.  

Quando Geraldo Vandré lançou no Festival Internacional da Canção, em 1968, no Maracanãzinho, o seu “Caminhando e cantando…”, a explosão de empatia com a música foi imediata, nem Vandré conseguiu moderar a empolgação da multidão pela descoberta do Hino que unificaria a resistência dali por diante.    

Ao surgir em julho de 1971, em Recife, um grupo nacional que encabeçou o lançamento da Carta de Recife, com pregação transformadora, o apoio foi rápido. Esse grupo passou à história como “grupo autêntico”, tinha 23 deputados, aguerridos, barulhentos, indomáveis, como Alencar Furtado, Francisco Pinto, Fernando Lyra, Lysâneas Maciel, Amauri Müller e tantos outros.  

Em abril de 1972 correu a notícia de que surgira no sul do Pará, na região do Araguaia, uma resistência guerrilheira, dirigida por comunistas, e esperanças cresceram entre os que se empenhavam na luta contra a tirania. 

No dia 27 de junho de 1977, o MDB levou ao ar seu programa de televisão. Há três anos não falava ao povo. Havia dúvidas se deixariam exibi-lo. Mas ele apareceu, e lá estavam o presidente do partido Ulysses Guimarães, seu líder no Senado, Franco Montoro (SP), o presidente do Instituto Pedroso Horta, deputado Alceu Colares (RS) e o deputado federal pelo Paraná e líder do MDB na Câmara, Alencar Furtado. 

 A crítica ao regime foi unânime. A ditadura foi vergastada. Chegou a hora de falar Alencar Furtado.  E os brasileiros pararam. 

O cearense, que fez carreira política no Paraná, esmerou-se em denunciar, de forma retocada, não agressiva, porém ferina, um dos aspectos mais clamorosos do drama vivido pelos brasileiros naquela época, o dos desaparecidos políticos. O país democrático se emocionou.  

Para falar de tema tão candente e tão severamente proibido, Alencar deixou de lado o estilo aberto, nominativo, e apelou para a forma metafórica e poética de expor. Tocou fundo a sensibilidade dos brasileiros, quando mostrou a necessidade da liberdade “para que não haja no Brasil lares em pranto; para que as mulheres não enviúvem de maridos vivos, quem sabe, ou mortos, talvez -viúvas do quem sabe e do talvez; para que não tenhamos filhos de pais vivos ou mortos, órfãos de quem sabe e do talvez”. 

Esse trecho de Alencar Furtado atingiu o coração dos brasileiros, pois retratava, com a sutileza que o momento exigia, a realidade pungente que esperava uma denúncia imorredoura. 

Pagou caro o preço de sua coragem o deputado pelo Paraná. A ditadura não perdoava. Três dias depois, seu mandato foi cassado por decisão do general-presidente da República Ernesto Geisel. Mas sua denúncia ficou como uma marca registrada da prolongada resistência de nosso povo à ditadura militar de 1964. 

Depois da Anistia, Alencar Furtado retorna à Câmara onde eu o encontro ao lado de Chico Pinto, de Lysâneas Maciel, de Marcos Freire, de Fernando Lyra, de Paes de Andrade, de Amaury Müller e tantos outros do “grupo autêntico”, veteranos da paliçada democrática. Destes, muitos já se foram, deixando saudade e exemplo. Os que ainda estão aí, estão se virando conosco, que também estamos nos virando com os mais novos na nova e necessária resistência que se estrutura contra o governo antinacional, obscurantista, genocida  e corrupto de Bolsonaro. 

Agora que Alencar Furtado desaparece, é de justiça que façamos esse reconhecimento do papel combativo que teve por toda sua vida, lutando contra o arbítrio e pela liberdade. Sinto-me no dever de homenageá-lo aqui, em nome do Partido Comunista do Brasil, que sempre admirou e batalhou junto com esse bravo e consequente lutador pela democracia. Nossas homenagens estendem-se também a seus familiares. 

Haroldo Lima
É engenheiro, ex-diretor-geral da ANP, membro do Comitê Central do PCdoB e foi deputado federal na Assembleia Constituinte.

2 comentários

  1. São pessoas quem mudam a história. Não são sistemas de governo nem formas de Estado os protagonistas. Acreditar em esquemas políticos e ideológicos seria dar um passe livre para qualquer idiota imbecilizado para governar sob certo sistema mágico autônomo. A autarquia utópica da potência do método sobre o prático. Não existe sistema melhor nem pior. Apenas líderes competentes ou estúpidos encontrareis isto em qualquer regime político em qualquer parte.

    Curtir

Deixe uma resposta para talkmanroberto Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.