Alayn Alonso: De think tanks a fantoches em ação


O objetivo tem sido muito claro por muito tempo. São uma série de passos muito bem estudados e aperfeiçoados a partir da experiência de sua aplicação anterior em países diferentes da Europa Oriental, Oriente Médio e África:

1) gerar uma situação de caos e ingovernabilidade 2) entrada de uma “intervenção humanitária” na forma de uma força militar estrangeira 3) levando o país invadido para uma forma de governo entreguista e dócil que permite à elite financeira e monopólios estrangeiros saquear suas riquezas em detrimento das classes sociais mais desfavorecidas

Muitos são exemplos recentes: Iugoslávia, Hungria, Ucrânia, Líbia, Egito, Iraque; tentaram na Síria, Venezuela e Bielorrússia. A fórmula foi aplicada com maior ou menor sucesso em todas elas. Alguns ainda estão despedaçados à medida que o terceiro passo se consolida. Mas todos eles têm em comum que o primeiro passo foi exatamente o mesmo, construído a partir de eventos gerados externamente e carregado de mãos dadas com a desinformação da grande mídia global que gerencia acima de tudo para confundir e manipular jovens e pessoas de menor preparação.

A estratégia para Cuba é cozida a partir das salas de estar de mais de 50think tanks. Você pode consultar a lista neste link (https://cri.fiu.edu/research/intl-resources-links/). Refira-me a grupos de acadêmicos altamente treinados com um objetivo muito claro: determinar quando e como a fórmula de três etapas descrita deve ser aplicada em Cuba, e com base em suas análises para emitir recomendações ao Governo dos Estados Unidos da época. Eles sabiam bem que antes da pandemia era impossível para a estratégia funcionar, mas o surto de COVID com suas terríveis consequências para as pessoas e a economia era a faísca para planejar a desestabilização. Estamos falando do início de 2020, e a partir desse momento esses senhores começaram a trabalhar.

Em algum momento, eles previram, Cuba teria um pico de casos, como já estava acontecendo na Europa na época. Se o Velho Continente com todos os seus recursos estivesse em desastre, ficou claro que a Cuba agredida em algum momento também o teria. Também ficou claro que o turismo internacional congelaria completamente, afetando a principal fonte de renda da ilha caribenha. Mas uma vez que esse pico é atingido, Cuba poderia suportar suas consequências sem receitas turísticas? Bem, provavelmente sim.

Mais precisava ser feito então para garantir o sucesso da estratégia. Foi necessário imediatamente eliminar outras fontes de renda:

– cortar o fornecimento de combustível para o país o máximo possível;
– aumento da perseguição financeira, para evitar a compra de peças de reposição e insumos necessários para a produção de bens exportáveis;
– forçar governos subjugou a fechar missões médicas cubanas em seus países, independentemente do impacto social negativo que isso teria sobre as comunidades;
– obstruindo a viagem de cubanos-americanos para visitar suas famílias;
– e limitando remessas.

Trump então começou a trabalhar na recomendação desses«think tanks»e começou a tarefa espúria de estabelecer as bases para uma situação epidemiológica crítica a ser acompanhada por uma situação econômica crítica. A estratégia foi projetada para que em um ano ambas as calamidades convergissem, uma vez que estavam claras que o governo liderado por Díaz-Canel tomaria todas as medidas para prevenir a crise epidemiológica e que seria capaz de alcançá-la por pelo menos um ano, dada a capacidade demonstrada do socialismo cubano de lidar com situações extremas. Grande parte das famosas 243 ações de Trump tomadas em um período muito curto de tempo responderam a isso.

Após a chegada de Biden à Casa Branca, ele foi informado da estratégia, e embora não quisesse continuar aplicando mais sanções (uma vez que isso iria contra suas promessas eleitorais, o que prejudicaria sua credibilidade e imagem pública), ele também não fez nada para modificar de forma alguma as medidas de seu antecessor, esperando “o momento” do pico, que foi adiado para chegar devido ao manejo correto da epidemia pelas autoridades em Cuba. Assim, seis meses se passaram e o “momento” não chegou, mas tudo permaneceu inalterado.

Duas situações muito particulares e totalmente fortuitas vieram para “ajudá-los” em sua ânsia. O aparecimento da variante Delta do coronavírus, muito mais contagioso e letal, por um lado, é uma das causas que o pico epidemiológico que eles estavam aguardando ansiosamente finalmente ocorreu em Cuba. E, por outro lado, as avarias simultâneas em três grandes unidades de geração de eletricidade no país. Talvez outros possam ser listados, mas basicamente esses dois fatos têm um grande peso no resultado dos eventos.

A escassez de alimentos e medicamentos causada principalmente pelas novas medidas tomadas por Trump, juntou-se a um aumento ostensivo no número de pacientes a serem atendidos, em meio à impossibilidade do ponto de vista prático de atender à demanda da população por eletricidade. A mesa foi servida, o “momento” que eles estavam esperando há seis meses tinha chegado. E teve que ser aproveitado rapidamente, antes que as usinas termelétricas danificadas fossem reparadas.

Tudo o que restou foi dar-lhe um empurrão final. Como levar as pessoas às ruas para criar uma situação complicada? E a resposta para os think tanks era simples: os próprios cubanos em Miami fariam isso por eles.

Em primeiro lugar, foi necessário alcançar pessoas inexperientes ou despreparadas, propensas a serem facilmente manipuladas, para fazê-las acreditar que todas as calamidades que enfrentaram eram culpa da inaptidão do governo, e não o produto de ações externas que vinham sendo realizadas desde um ano e meio antes, juntamente com os fatores fortuitos mencionados.

Em segundo lugar, prometer a essas pessoas, em sua maioria jovens, recargas do exterior para suas contas telefônicas, com a condição de que eles gravem a “demonstração” e transmitam ao vivo. No geral, era para isso que eles estavam recebendo, certo? E exigiram que saíssem às ruas para protestar, com ordens para gritar pela falta de eletricidade, comida, remédios e a deterioração da situação de saúde. Isso criaria “manifestações pacíficas” que exigiriam ações concretas para que os chamados “responsáveis” (neste caso, segundo eles, o Governo cubano) fizessem “algo” para reverter os problemas e tomar medidas para convencer os “manifestantes” de que a situação melhoraria.

Em terceiro lugar, mobilizar mercenários dependentes do financiamento estrangeiro para se infiltrar nessas preconcebidas “manifestações pacíficas das pessoas oprimidas que não suportam mais inaptidão” e aproveitar a confusão gerada para misturar uma coisa com a outra e passar as “manifestações” como atos em massa contra a Revolução. A tática usada é simples: esses elementos assalariados entoam slogans que não se repetem pelos confusos, mas como eles fazem isso na frente da câmera cuidadosamente selecionada para a transmissão ao vivo, eles dariam a impressão de que todos estavam gritando. Eles também conseguiram inserir como supostos “manifestantes” um pequeno número de elementos anti sociais e criminosos comuns de baixa qualidade com a ordem de saquear entidades estatais e danificar bens sociais, aproveitando-se da situação de desordem, para dar a imagem de que “o povo de Cuba” eram os que estavam fazendo isso.

Em quarto lugar, dar toda essa extensa cobertura da mídia internacional e através das redes sociais, com o objetivo de desinformar o resto do planeta e até mesmo alguns cubanos dentro da ilha, com a falsa mensagem de que “os cubanos estão se rebelando contra o sistema comunista”.

Eles escolheram inteligentemente para isso, além disso, um domingo. Em um dia de trabalho, esse nível de mobilização provavelmente não teria sido alcançado, uma vez que a maioria da população estaria em seus locais de trabalho. Milhares de pessoas no exterior trabalharam duro por muitas horas naquele dia para coordenar as “manifestações”, recargas vêm e vão, chamadas para se juntar à “ação”. E dentro de Cuba muito jovens, despreparados e fáceis de enganar pessoas pequenas foram enviadas como a ponta de lança que comporia a maior parte dos “manifestantes pacíficos”.

O que aconteceu depois? Bem, as pessoas pequenas foram pegas, porque pouco a pouco eles perceberam que estavam sendo colocados em uma sopa para fins políticos e eles, em suma, não tinham saído para isso, nem para vandalizar. Além disso, quando a conexão com a Internet foi interrompida, eles não tinham mais nada para fazer lá, porque já tinham feito a sua parte, se divertiram com sua piada simulada de anarquia, e fizeram a direta para a qual receberam a recarga. Por outro lado, o povo revolucionário de Cuba saiu para tomar suas ruas de volta, e bem, quando a coisa deixou de rir e pachanga, você teve que sair. À noite, todas as cidades e vilas “rebeldes” estavam dormindo pacificamente.

Esta escaramuça destaca duas coisas: que as Revoluções coloridas nem sempre funcionam (como a Venezuela e a Bielorrússia, e agora Cuba, já demonstraram antes) e que o poder de convocação do dinheiro do inimigo dentro de um setor da juventude cubana não pode ser subestimado. Algo precisa ser feito sobre isso.

O que acontecerá depois? Os incitadores mercenários que organizaram e iniciaram as “manifestações” serão identificados e levados à justiça. Todos os criminosos que danificaram bens públicos ou saquearam também serão levados em ação. Os efeitos sobre a eletricidade começarão a se inverter gradualmente durante a semana que só começa com a entrada de duas das três unidades danificadas, nas quais um trabalho intenso está sendo feito. A vacinação continuará nas próximas semanas, as medidas tomadas para conter o pico da epidemia começarão a entrar em vigor, e eventualmente o número de positivos e mortes cairá. Não é algo que acontecerá por magia, mas Cuba sairá vitoriosa do coronavírus. Em seguida, o turismo voltará, e com ele, a renda necessária para melhorar as condições atuais de escassez. A Revolução permanecerá firme e vitoriosa.

Os inimigos foram rápidos em colocar um nome para a escaramuça: “11J”. Talvez eles sempre soubessem que era uma coisa de um dia. Não há bolso que possa estar enviando tanta recarga para Cuba todos os dias, nem mesmo com os milionários “projetos” anti-cubanos da Usaid. Além disso, o fato de que tudo foi organizado e coordenado dos Estados Unidos se reflete no fato de que uma vez que a conexão com a Internet na ilha é suspensa, as “demonstrações” desaparecem completamente à medida que aqueles que os orquestram perdem sua capacidade de liderá-los. E com isso, o mito que os cubanos espontaneamente tomaram as ruas desaparece.

De qualquer forma, isso entrará para a história como aquela outra ocasião (outra do grupo) em que o grande gringopensa que os tanquesderam errado novamente pela enésima vez de um canto para o outro com Cuba, como sempre aconteceu com eles nos últimos 62 anos. Depois de uma cuidadosa e longa preparação e espera, eles tentaram gerar uma situação de caos e desgovernabilidade como o primeiro passo de sua estratégia para anular a soberania de Cuba, e no final não foi nada mais do que um show ruim de alguns fantoches em ação. Cuba, como sempre, saiu vitoriosa disso também. E não, não sentimos pena dos perdedores de sempre.

Retirado da REBELIÃO/19 de julho de 2021

O que você achou desta matéria?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.